Últimas Notícias
Banca de DEFESA: NESTOR DE CASTRO BRITO JUNIOR
Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NESTOR DE CASTRO BRITO JUNIOR
DATA: 02/03/2018
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório Tropen
TÍTULO: MOBILIDADE URBANA NA PERSPECTIVA DA SUSTENTABILIDADE: ESTUDO NA CIDADE DE TERESINA, PIAUÍ
PALAVRAS-CHAVES: Mobilidade urbana sustentável. Teresina. IMUS
PÁGINAS: 156
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

A circulação é fator indispensável no contexto urbano, pois o deslocamento das pessoas antecede e sucede todas as atividades desenvolvidas numa cidade. Contudo, tendo que vencer distâncias cada vez maiores, a população vê prejudicadas suas condições de mobilidade. A lei federal nº 12.587 institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, definindo a mobilidade urbana como condição em que os deslocamentos de pessoas e cargas se realizam no espaço urbano. Na mobilidade sustentável são avaliados fatores ligados ao planejamento urbano que têm impacto direto na decisão do indivíduo sobre sua forma de deslocamento. Teresina apresenta população estimada de 847.430 habitantes e área aproximada de 1.391,98 km², organizada em 123 bairros. Atualmente as ruas da capital enfrentam superlotação de veículos, tanto de carros, como motos, ônibus e bicicletas, que disputam espaço entre si e com pedestres, carroças, e barracas de ambulantes em alguns pontos. Este trabalho tem como objetivo geral analisar as condições de mobilidade urbana em Teresina, e como objetivos específicos: discutir o conceito de mobilidade urbana sustentável; avaliar a disponibilidade de dados públicos em órgãos relacionados ao objeto deste trabalho; comparar os resultados obtidos em Teresina com os de outras cidades brasileiras; identificar os pontos fortes e pontos fracos da cidade no tocante à mobilidade urbana sustentável. A metodologia baseia-se na adaptação do Índice de Mobilidade Urbana Sustentável (IMUS), tomando como base o ano de 2015. Teresina obteve um índice global de 0,425 − numa escala que varia de 0,00 a 1,00. Isso revela que a cidade, que está em fase de implantação de seu sistema de integração do transporte público por ônibus, bem como revisando seu Plano Diretor, ainda tem muito a avançar no quesito mobilidade urbana sustentável. Os pontos fortes observados, segundo os critérios do IMUS, são os Domínios Aspectos Sociais e Aspectos Políticos. Os pontos fracos, os Domínios Aspectos Ambientais, Infraestrutura de Transportes e Modos Não Motorizados. A principal dificuldade enfrentada foi a indisponibilidade, e/ou baixa qualidade dos dados, tanto em canais de comunicação quanto diretamente junto às instituições públicas. Há um déficit de cidadania, que transparece nas relações horizontais (indivíduo-indivíduo) e verticais (indivíduo-Estado), o que dificulta a implementação da Política Nacional de mobilidade Urbana.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 150.292.393-91 - JOSE MACHADO MOITA NETO - UFPI
Interno - 423676 - ANTONIO CARDOSO FACANHA
Interno - 302.181.523-53 - FRANCISCO SOARES SANTOS FILHO - UESPI
Externo à Instituição - ANTONIO FREDERICO VILARINHO CASTELO BRANCO - CEFET/PI
Externo à Instituição - MANUELA NUNES LEAL - UESPI

Cadastrada em: 16/02/2018
Mais Notícias
Processos Seletivos Veja abaixo os processos seletivos disponíveis para nosso Programa de Pós-Graduação.
Calendário Fique por dentro dos eventos relacionados ao nosso Programa de Pós-Graduação.
  • 22/02/2018 - 23/02/2018 · Matrícula para o período 2018.1.
  • 01/03/2018 · Início do período letivo 2018.1.
SIGAA | Núcleo de Tecnologia da Informação - NTI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.srvjb04 22/02/2018 16:02