News

Banca de QUALIFICAÇÃO: FRANCILIO DE AMORIM DOS SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCILIO DE AMORIM DOS SANTOS
DATA: 23/05/2014
HORA: 16:00
LOCAL: Sala de video II
TÍTULO:

Estudo da degradação/desertificação em unidades geoambientais, nos municípios de Castelo do Piauí e Juazeiro do Piauí


PALAVRAS-CHAVES:

 

Degradação/desertificação, abordagem sistêmica, Diagnóstico Físico Conservacionista, Unidades Geoambientais.


PÁGINAS: 96
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Geografia
SUBÁREA: Geografia Regional
RESUMO:

As conseqüências da desertificação são múltiplas e variadas, envolvem desde o comprometimento dos recursos hídricos, do solo, da cobertura vegetal e ainda da qualidade de vida da população das áreas afetadas, esta constatação revela a necessidade de desenvolvimento de estudo em áreas com suscetibilidade à desertificação, a exemplo dos municípios de Castelo do Piauí e Juazeiro do Piauí. Os municípios referenciados foram apontados em estudo de Aquino e Oliveira (2012), como áreas suscetíveis à desertificação. Ressalte-se a que a importância do estudo dá-se, também, devido a carência de dados sobre a referida área, assim como a busca por otimizar as atividades econômicas para fins de sustentabilidade ambiental. Portanto, a pesquisa tem como objetivo promover um estudo acerca dessas áreas, para gerar uma base de dados geoambientais que sirva de base para um planejamento ambiental minimizador dos riscos socioambientais. Esta pesquisa utilizar-se-á da abordagem sistêmica, pois se entende que esta é a mais adequada, devido reunir vários elementos da dinâmica espacial. Essa base de dados será construída através de pesquisas bibliográfica e cartográfica em fontes secundárias. Neste percurso serão utilizados indicadores adaptados da metodologia de Beltrame (1994), que elenca indicadores potenciais de proteção/degradação dos recursos naturais renováveis, a saber: Índice cobertura vegetal, representado pelo Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI); erosividade da chuva (R); Índice Aridez (IA); erodibilidade dos solos (K); Declividade (D). As características geoambientais castelenses e juazeirenses mostram predomínio de formações geológicas que datam da Era Paleozóica, como as Formações Longá, Cabeças, Pimenteiras e o Grupo Serra Grande, e uma estrutura que datada da Era Cenozóica, os Depósitos Colúvio-Eluviais. As superfícies estruturais são pediplanadas com extensas superfícies elaboradas em rochas sedimentares e amplos vales interplanálticos Pedimentados, que se apresenta muito dissecadas por retomada de erosão recente, em algumas áreas. Os solos encontrados são variados e constituem 14 associações e 8 grupos, segundo Jacomine (1983): Argissolos, Chernossolos, Latossolos, Luvissolos, Neossolos, Planossolos e Plintossolos. Estes solos são recobertos por vegetação tipo Cerradão, Campo Cerrado e Caatinga Arbustiva. A partir do parâmetro topo-morfológico, foram preliminarmente identificadas as seguintes as unidades geoambientais: Superfícies Pedimentada Tabular de Juazeiro do Piauí, Planície Fluvial do rio Poti, Superfícies Pedimentada Tabular de Castelo do Piauí, Superfície Conservada Sedimentar.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1461646 - CLAUDIA MARIA SABOIA DE AQUINO
Externo à Instituição - FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA ARAÚJO - UEMA
Interno - 1300002 - GUSTAVO SOUZA VALLADARES
Notícia cadastrada em: 09/05/2014 17:04
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 04/10/2022 03:21