Notícias

Banca de DEFESA: GLAUCIMARA ALVES DA COSTA VIEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GLAUCIMARA ALVES DA COSTA VIEIRA
DATA: 31/10/2016
HORA: 10:30
LOCAL: MESTRADO ACADÊMIO EM LETRAS / CCHL
TÍTULO: UMA REPRESENTAÇÃO DO CARIBE EM UNE TEMPÊTE, DE AIMÉ CÉSAIRE
PALAVRAS-CHAVES: Caliban. Literaturas caribenhas. Aimé Césaire. Teatro. Pensamento Decolonial. Lugar de Enunciação Latino-americano.
PÁGINAS: 83
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
RESUMO:

Este pesquisa apresenta um estudo da peça teatral Une Tempête (1969), de Aimé Césaire, a partir de um pensamento decolonial. Um texto adaptado especialmente para um teatro negro. A peça traz a relação entre duas personagens-símbolo da literatura ocidental: Prospero e Caliban; o colono branco e o escravo negro. O escritor caribenho faz uma releitura da peça A Tempestade (1611), de Shakespeare. Aimé Césaire expõe em sua peça os conflitos fundamentais entre as raças e as classes.. A peça é um canto de liberdade que emerge a partir da resistência estabelecida por Caliban às imposições de Prospero na releitura feita por Aimé Césaire. A partir da releitura feita por Aimé Césaire, Caliban torna-se símbolo de uma reivindicação pelo direito de enunciar, de falar de si, de contar a própria história do seu lugar sem que tenha de ser pelo filtro europeu, representado na peça por Prospero. O objetivo da pesquisa foi apontar em que aspectos teóricos Une Tempête instaura-se como uma representação possível do Caribe em perspectiva à uma representação também das Américas. Neste estudo foram utilizados elementos da História, sobretudo ao período correspondente à Descolonização do Caribe, assim como um dos conceitos fundadores da identidade afro-caribenha, a Negritude. Para tanto, a pesquisa foi fundamentada nos Estudos Culturais e no pensamento decolonial, principalmente sistematizada por Edward W. Said (2007; 2011), Orientalismo e Cultura e Imperialismo; Frantz Fanon (2005; 2008), Os condenados da terra e Pele negra, máscaras brancas; Discurso sobre o colonialismo, de Aimé Césaire (2010); Albert Memmi (1977), Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador; Stuart Hall (2002), A identidade cultural na pós-modernidade, Eduardo Restrepo (2014), Stuart Hall desde el Sur: legados y apropiaciones, Arturo Escobar (2003), Mundos y conocimientos de otro modo: el programa de investigación de modernidade/colonialidad Latinoamericano.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1637106 - ALCIONE CORREA ALVES
Interno - 1192205 - SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
Notícia cadastrada em: 25/10/2016 17:05
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 16/06/2021 17:05