• O sistema entrará em processo de atualização de funcionalidades às 13:30. Pedimos a todos que salvem seus trabalhos para que não haja transtornos.
    Agradecemos a compreensão, em 15 minutos o sistema estará de volta.
Notícias

Banca de DEFESA: PAULO VICTOR CARDOSO VENÇÃO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PAULO VICTOR CARDOSO VENÇÃO
DATA: 05/08/2019
HORA: 10:00
LOCAL: Sala 323-J
TÍTULO: A LITERATURA NO ENEM (2013-2017): REFLEXÕES SOBRE ENSINO E FORMAÇÃO DE LEITORES
PALAVRAS-CHAVES: Ensino de Literatura. ENEM. Formação de leitores.
PÁGINAS: 169
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
RESUMO:

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) foi criado em 1998 com o objetivo de avaliar o aluno ao final da escolaridade básica, no entanto, em 2009 esse exame passou por uma reformulação, sendo utilizado a partir desse momento como vestibular seletivo para o ingresso em Instituições de Ensino Superior (IES), parcialmente ou integralmente. Com essa adesão, mudanças ocorreram em relação à abordagem da literatura, pois não é mais exigida a leitura de obras literárias como nos vestibulares tradicionais, e sim, a leitura de trechos com foco em capacidades interpretativas. O propósito desta pesquisa surgiu a partir da produção do Trabalho de Conclusão de Curso (2016) em que se realizou uma análise comparativa entre algumas questões de Literatura abordadas no ENEM (2015) e as questões de Literatura abordadas na Terceira Etapa do Programa Seriado de Ingresso na Universidade Federal do Piauí (PSIU-2010/UFPI). Como o PSIU encerrou em 2010 e o ENEM se tornou a forma comum de ingresso de candidatos na maioria das Instituições de Ensino Superior, inclusive na UFPI, é que se considera a seguinte problematização: De que modo a Literatura é abordada no ENEM, considerando o recorte temporal de 2013 a 2017, e qual o impacto dessa abordagem para o ensino literário e a formação de leitores a partir de alunos/candidatos? Dessa forma, este trabalho tem por objetivo geral analisar a abordagem da literatura em questões do ENEM nos anos de 2013 a 2017 e possíveis implicações desse exame para o ensino de literatura, bem como especificamente, observar como a literatura aparece nos documentos oficiais; analisar as questões de literatura com base em critérios como dados quantitativos e exigência de interpretação; e ainda verificar os impactos que essa forma de abordagem pode provocar no ensino de literatura. Para tanto, fizemos uso dos aportes teóricos considerando Assumção (2013); Paulino (2001); Rouxel (2013); Barone (2007); Silva (2009); Medeiros (2012); Luft & Fischer (2014); Fischer et al(2012); Zilberman (2008, 2009, 2012); Perrone-Moisés (2016); Todorov (2009); Compagnon (2009); Jouve (2012); Tiuman (2017); Luft (2014); Vitoriano, Tatagiba e Mata (2016). Pela análise, pode-se notar que há uma falta de enfoque na literatura nessa avaliação, pois restringem a abordagem do texto literário a fragmentos, principalmente, destacando capacidades interpretativas, deixando de proporcionar aos candidatos reflexões críticas que seriam possíveis por meio de análises de obras literárias integralmente lidas. A forma como a maioria dos documentos oficiais aborda a literatura não é suficiente para que se tenha uma formação literária significativa, ao passo que na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) apresenta-se uma forma de trabalho com a literatura capaz de preencher essa lacuna. Além disso, a forma de abordagem da literatura no ENEM é insuficiente com relação ao Ensino literário, uma vez que não faz uma abordagem integral e sim trabalha fragmentos passiveis de interpretações superficiais.

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) foi criado em 1998 com o objetivo de avaliar o aluno ao final da escolaridade básica, no entanto, em 2009 esse exame passou por uma reformulação, sendo utilizado a partir desse momento como vestibular seletivo para o ingresso em Instituições de Ensino Superior (IES), parcialmente ou integralmente. Com essa adesão, mudanças ocorreram em relação à abordagem da literatura, pois não é mais exigida a leitura de obras literárias como nos vestibulares tradicionais, e sim, a leitura de trechos com foco em capacidades interpretativas. O propósito desta pesquisa surgiu a partir da produção do Trabalho de Conclusão de Curso (2016) em que se realizou uma análise comparativa entre algumas questões de Literatura abordadas no ENEM (2015) e as questões de Literatura abordadas na Terceira Etapa do Programa Seriado de Ingresso na Universidade Federal do Piauí (PSIU-2010/UFPI). Como o PSIU encerrou em 2010 e o ENEM se tornou a forma comum de ingresso de candidatos na maioria das Instituições de Ensino Superior, inclusive na UFPI, é que se considera a seguinte problematização: De que modo a Literatura é abordada no ENEM, considerando o recorte temporal de 2013 a 2017, e qual o impacto dessa abordagem para o ensino literário e a formação de leitores a partir de alunos/candidatos? Dessa forma, este trabalho tem por objetivo geral analisar a abordagem da literatura em questões do ENEM nos anos de 2013 a 2017 e possíveis implicações desse exame para o ensino de literatura, bem como especificamente, observar como a literatura aparece nos documentos oficiais; analisar as questões de literatura com base em critérios como dados quantitativos e exigência de interpretação; e ainda verificar os impactos que essa forma de abordagem pode provocar no ensino de literatura. Para tanto, fizemos uso dos aportes teóricos considerando Assumção (2013); Paulino (2001); Rouxel (2013); Barone (2007); Silva (2009); Medeiros (2012); Luft & Fischer (2014); Fischer et al (2012); Zilberman (2008, 2009, 2012); Perrone-Moisés (2016); Todorov (2009); Compagnon (2009); Jouve (2012); Tiuman (2017); Luft (2014); Vitoriano, Tatagiba e Mata (2016). Pela análise, pode-se notar que há uma falta de enfoque na literatura nessa avaliação, pois restringem a abordagem do texto literário a fragmentos, principalmente, destacando capacidades interpretativas, deixando de proporcionar aos candidatos reflexões críticas que seriam possíveis por meio de análises de obras literárias integralmente lidas. A forma como a maioria dos documentos oficiais aborda a literatura não é suficiente para que se tenha uma formação literária significativa, ao passo que na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) apresenta-se uma forma de trabalho com a literatura capaz de preencher essa lacuna. Além disso, a forma de abordagem da literatura no ENEM é insuficiente com relação ao Ensino literário, uma vez que não faz uma abordagem integral e sim trabalha fragmentos passiveis de interpretações superficiais.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 145.435.403-87 - MARGARETH TORRES ALENCAR COSTA - UESPI
Presidente - 1192205 - SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
Externo à Instituição - STELA MARIA VIANA LIMA BRITO - UESPI
Notícia cadastrada em: 24/07/2019 10:45
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 17/06/2021 13:39