Notícias

Banca de DEFESA: MICILANE NASCIMENTO DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MICILANE NASCIMENTO DOS SANTOS
DATA: 29/04/2021
HORA: 15:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO: O tratamento da variação linguística no ensino de língua materna: um estudo (n)etnográfico em sala de aula
PALAVRAS-CHAVES: Variação Linguística. Ensino. Língua Portuguesa. Sociolinguística Educacional. Netnografia.
PÁGINAS: 120
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
RESUMO:

Esta dissertação, que versa sobre o fenômeno da variação linguística no ensino de língua materna, traz a seguinte problemática: qual o tratamento dado à variação linguística em aulas de Língua Portuguesa no 1º ano do Ensino Médio no IFMA Campus Coelho Neto? Diante disso, delineamos como objetivo geral: investigar a abordagem da variação linguística, no processo de ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa, no 1º ano do Ensino Médio, no IFMA Campus Coelho Neto. Para tanto, de modo específico, buscamos: identificar as concepções da professora de Língua Portuguesa sobre língua e variação linguística; verificar a consonância do trabalho com a variação linguística em sala de aula com os estudos sociolinguísticos; analisar, sob a perspectiva da Sociolinguística Educacional, o tratamento dado à variação linguística enquanto objeto de ensino em aulas de Língua Portuguesa. Este estudo apresenta em sua base teórica autores como Labov (2008), acerca da Sociolinguística Variacionista; Bortoni-Ricardo (2004, 2005), no que diz respeito ao ensino de língua materna na perspectiva da Sociolinguística Educacional; Bagno (1999, 2007), sobre variação linguística e preconceito linguístico; Faraco (2008), em relação à temática da norma linguística, dentre outros estudiosos. Trata-se deuma pesquisa de campo com viés etnográfico, de abordagem qualitativa e interpretativista. Para a geração de dados, utilizamos, como instrumentos: observação de aulas remotas, notas de campo, gravações audiovisuais e entrevista semiestruturada. Devido à pandemia de Covid-19, as aulas ocorreram remotamente por meio de ambientes de aprendizagem on-line, por isso o trabalho de campo recorreu também ao método da netnografia. Os resultados indicam que a variação linguística, apesar de legitimada no falar discente e docente, ocupa um espaço reduzido na programação das aulas, sendo trabalhada dissociada dos demais conteúdos da disciplina, com foco na sua classificação, recebendo um tratamento superficial e insuficiente. Quanto à concepção de língua(gem) assumida pela docente, percebemos que a concepção de língua(gem) como instrumento de comunicação e como processo de interação, apontadas por Travaglia (2008), coexistem na sua prática pedagógica, sendo observado o predomínio desta última. De modo geral, notamos que houve coerência entre o conhecimento teórico da docente e sua prática de ensino em relação à abordagem da variação linguística.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 7422420 - CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
Interno - 3108138 - IVEUTA DE ABREU LOPES
Externo à Instituição - PEDRO RODRIGUES MAGALHÃES NETO - UESPI
Notícia cadastrada em: 09/04/2021 15:13
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 20/06/2021 01:33