Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: NILSON MACEDO MENDES JUNIOR

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NILSON MACEDO MENDES JUNIOR
DATA: 24/09/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de Estudos Literários - CCHL
TÍTULO:

A Memória e Identidade Afro-Americana em Narrative of the life of Frederick Douglass, an American slave, written by himself


PALAVRAS-CHAVES:

Literatura afro-americana. Frederick Douglass. Memória. Identidade.


PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
RESUMO:

A presente dissertação tem como tema a memória e a identidade afro-americana advinda do uso da memória coletiva da comunidade negra do sul dos Estados Unidos da América na autobiografia Narrative of the life of Frederick Douglass, an American slave, written by himself (1845). Inicia-se o trabalho abordando de que forma a crítica literária de sua época analisa a autobiografia de Douglass. Depois, comenta-se brevemente o contexto histórico e social das obras. E principalmente, como essa obra é responsável no bojo das narrativas escravas pela construção das características desse gênero de literatura Afro-Americana. O gênero surgiu em um período da história estadunidense conhecida como Antebellum e Postbellum, os quais se referem a antes e depois da Guerra Civil Americana ou Guerra de Secessão. Em uma segunda parte, discute-se de que maneira a memória, em conjunto com outras a características das narrativas escravas ajuda na construção identitária de uma nacionalidade primeiramente étnica assim como fortalece os vindouros movimentos sociais negros, que mais tarde ensejaram dessa forma os primeiros desejos de uma nacionalidade inclusiva e cívica. Por último, discorre-se acerca da maneira como é representada a memória coletiva em Narrative of the life of Frederick Douglass, an American slave, written by himself,. O trabalho tem três objetivos: 1) refletir sobre a importância da memória para as escritas de si, em especial na narrativa autobiográfica realizada pelo escritor afro-americano Frederick Douglass na obra Narrative of the life of Frederick Douglass, an American slave, written by himself, para a caracterização das narrativas realizadas por ex-escravizados de suas dificuldades quotidianas, que ficaram conhecidas como slave narratives, 2) demonstrar que o autor ao representar a memória coletiva da sua comunidade como se fora uma memória individual em Narrative of the life of Frederick Douglass, an American slave, written by himself tenta resolver a crise de identidade nacional étnica e cívica do seu povo gerada pelo apagamento da memória pessoal e coletiva nas comunidades escravizadas no sul dos Estados Unidos do século XIX através das slave narratives, e 3) examinar em Narrative of the life of Frederick Douglass, an American slave, written by himself como memória e oralidade são importantes para a construção da identidade nacional étnica e cívica afro-americana nos Estados Unidos. Para tal, a metodologia escolhida para desenvolver o trabalho foi a pesquisa bibliográfica. Trata-se ainda de uma pesquisa no campo da Crítica Literária, com o necessário suporte da Teoria da Literatura, em especial no que diz respeito às narrativas autobiográficas, com diálogos interdisciplinares com a História, no que diz respeito ao resgate do contexto histórico da sociedade escravocrata do sul dos Estados Unidos nos Estados Unidos no século XIX e ao debate teórico acerca da memória, assim como com a Sociologia, principalmente no que diz respeito ao debate teórico acerca do conceito de identidade. Para a construção do texto foi utilizado o aporte teórico de representantes importantes dos estudos culturais, da memória, da história, da teoria literária, e áreas afins como: Édouard Glissant (2005), Elio Ferreira (2006; 2010; 2013), Franz Fanon (1967), Henri Bergson (1999), Homi Bhabha (2013), Iván Izquierdo (2002), Jacques Le Goff (2003), Maurice Halbwachs (1990), Pierre Nora (1993), Stuart Hall (2013), Roland Walter (2009), entre outros. Como conclusões preliminares dos dois capítulos aqui apresentados apontam-se: 1) através das memórias individuais que estão impregnadas pelo conhecimento de muitas pessoas, conceito de memória coletiva, as culturas são criadas e influenciadas tanto nas sociedades normais, e ainda mais nas sociedades coloniais, especialmente aquelas onde ocorreram as relações entre os senhores e seus escravizados, 2) a memória é o recurso principal de representação identitária das narrativas escravas, é por sua evocação que são (re)construídas as novas identidades culturais dos negros no Novo Mundo, e 3) a memória, a identidade e o nacionalismo são fatos sociais preponderantes nas narrativas escravas, e que o processo deconstrução de uma nova identidade cultural compósita dos afro-americanos estadunidenses perpassa por três vieses teóricos muito claros, a) a interface entre memória e sujeito descentrado e em diáspora do afro-americano estadunidense, b) a importância da memória e a recusa da amnésia imposta pelo branco através da escrita de suas narrativas, mantendo a estrutura oral dos antepassados na sua escrita, porém, como griôs modernos preferindo a palavra escrita para se empoderar e dar voz ao subalterno, e c) construir sua identidade de escritor afro-americano estadunidense através da verbalização de suas dores, seus sofrimentos e racismos sofridos durante a escravização e após sua emancipação.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1637106 - ALCIONE CORREA ALVES
Interno - 1630720 - MARIA ELVIRA BRITO CAMPOS
Externo à Instituição - MARIA DO SOCORRO BAPTISTA BARBOSA - UESPI
Notícia cadastrada em: 22/09/2014 10:44
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 20/06/2021 10:10