Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: FRANCISCO ARMANDO DE SOUSA OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCISCO ARMANDO DE SOUSA OLIVEIRA
DATA: 29/09/2014
HORA: 10:00
LOCAL: Sala de Estudos Literários - CCHL
TÍTULO:

O LEILÃO DO LOTE 49, DE THOMAS PYNCHON, E O MODELO TEÓRICO DE OBRA ABERTA, DE UMBERTO ECO: forma, narrativa e mensagem.


PALAVRAS-CHAVES:

Pynchon. O leilão do lote 49. Obra Aberta. Umberto Eco


PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
RESUMO:

O objetivo desta dissertação é explorar as possibilidades crítico-literárias de duas diferentes tradições teóricas da literatura, tornando possível o diálogo entre a prosa ficcional do romancista americano Thomas Pynchon, em O leilão do lote 49 (1993), e o modelo teórico de obra aberta, de Umberto Eco, como proposto pelo pesquisador em Obra Aberta (1986) e revisado em outras publicações posteriores. O segundo romance de Pynchon é considerado um dos textos mais paradigmáticos da literatura pós-moderna (SHOOP, 2012), em O leilão do lote 49, o escritor explora a flexibilidade da palavra e a ideia de indeterminação, que segundo sua origem latina está ligada a ausência de fim, ou ausência de limites, para produzir uma obra que visa a expansão de possibilidades interpretativas a partir de seu texto (MILLER, 2012; MATHEWS, 2012). Umberto Eco, observando que tal construção é recorrente na arte contemporânea, a partir da segunda metade do século XX, formula o modelo teórico de obra aberta como proposta teórica para compreender a arte que busca, através da indeterminação e ambiguidade, expandir-se em significados múltiplos para que possam ser interpretados ou atualizados no ato da fruição do interprete. Ambas as produções, a obra literária e a proposta teórica, surgem a partir de semelhantes transformações no modo como o homem contemporâneo entende sua realidade, já que a arte e a ciência, à guisa da similitude e da metaforização, produz complementos, do real (ECO, 1986), portanto, percebe-se que, paralelo à compreensão da realidade ficcional de O leilão do lote 49, através do modelo teórico de obra aberta, é possível se chegar a um dos modos do homem contemporâneo interpretar a sua realidade empírica, não mais sob formas unívocas e homogêneas, mas através da indeterminação e da pluralidade de significados.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1626700 - CARLOS ANDRE PINHEIRO
Presidente - 1624524 - ERICA RODRIGUES FONTES
Interno - 1630720 - MARIA ELVIRA BRITO CAMPOS
Notícia cadastrada em: 26/09/2014 10:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 19/06/2021 21:58