Notícias

Banca de DEFESA: MARIA JANY KATIA LOIOLA ANDRADE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA JANY KATIA LOIOLA ANDRADE
DATA: 09/02/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Google Meet
TÍTULO: PODA DE FORMAÇÃO SISTEMÁTICA E DESEMPENHO FISIOLÓGICO DE CULTIVARES DE MANGUEIRAS ISRAELENSES CULTIVADAS NO SUBMÉDIO DO VALE DO SÃO FRANCISCO
PALAVRAS-CHAVES: Mangifera indica L., ‘Omer’, ‘Shelly’, pernadas, eficiência fotossintética.
PÁGINAS: 68
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
SUBÁREA: Fitotecnia
ESPECIALIDADE: Fisiologia de Plantas Cultivadas
RESUMO:

Nos últimos anos, o Brasil tem apresentado crescimento constante na produção de frutas, ocupando atualmente o posto de terceiro maior produtor mundial, atrás apenas de China e Índia. No ano de 2019, a fruticultura brasileira apresentou aumento de 16% no volume de exportações de frutas. Parte dessa produção se concentra na região do Submédio do Vale do São Francisco, que explora efetivamente a produção de cultivares de mangueira. Nessa perspectiva, a diversificação de produção de cultivares de mangueira é de fundamental importância, uma vez que pode minimizar eventuais ocorrências de disseminação de pragas e doenças nos pomares, bem como impulsionar a introdução de novas cultivares. O presente estudo teve por objetivo avaliar o crescimento, desenvolvimento e fisiologia de cultivares de mangueiras israelenses, ‘Shelly’ e ‘Omer’, em função de variações na poda de formação nas condições da região do Submédio do Vale do São Francisco; no intuito de identificar o número de pernadas na poda de formação no qual as cultivares expressem as melhores condições para o manejo. O capítulo 1 aborda a fundamentação teórica e o estado da arte dos principais tópicos abordados. Os capítulos 2 e 3 englobam os achados científicos obtidos, empregando experimentos desenvolvidos entre os meses de janeiro de 2019 e julho de 2020, em pomar comercial localizado no perímetro de irrigação Maniçoba, Juazeiro-BA. Os estudos foram conduzidos em delineamento experimental em blocos casualizados, em arranjo fatorial 2 × 3, correspondendo a duas cultivares de mangueiras israelenses (‘Omer’ e ‘Shelly’) e três sistemáticas de poda considerando o número de pernadas (três, quatro e cinco pernadas), com quatro repetições e cinco plantas por parcela. O capítulo 2, apresentado na forma de artigo, teve como finalidade definir o manejo adequado de podas de formação sistemáticas para as cultivares estudadas, investigando parâmetros de crescimento, de formação de copa e acúmulo de amido e sólidos totais. Os dados sugerem que ambas as cultivares ‘Omer’ e ‘Shelly’ apresentaram bom desempenho nas condições estudadas, especialmente quando podadas com 3 pernadas; entretanto, os tratamentos com quatro e cinco pernadas não apresentaram variações drásticas entre si, podendo também ser adotados para as cultivares na região em estudo. No capítulo 3, que teve como alvo avaliar a performance fotossintética durante a fase vegetativa de cultivares de mangueiras israelenses cultivadas na região do Submédio do Vale do São Francisco, as trocas gasosas e o acúmulo de pigmentos fotossintéticos foram investigados ao longo do manejo de podas de formação. Os pigmentos fotossintéticos foram alterados significativamente entre as cultivares durante as podas de formação, com os maiores teores de clorofila a, b e total registrados nas plantas ‘Omer’ em comparação às ‘Shelly’; contudo, alterações significativas em função do número de pernadas foram registradas somente na última avaliação, após a sexta poda de formação. Em paralelo, a cultivar ‘Omer’ apresentou os maiores índices de fotossíntese líquida (A) e condutância estomática (gs), o que resultou na maior eficiência no uso de água. Os dados evidenciam que ambas as cultivares estudadas apresentaram bons resultados para o cultivo na região, e que variações entre o número de pernadas não parecem ser determinantes para o desempenho da mangueira, devendo levar em consideração apenas os demais manejos fitotécnicos. Mesmo assim, a cultivar ‘Omer’ se mostrou com maior potencial fisiológico para se adaptar as condições de cultivo na região do Vale do São Francisco, com respostas determinantes desde as podas de formação iniciais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1342777 - RAFAEL DE SOUZA MIRANDA
Interno - 2241316 - GABRIEL BARBOSA DA SILVA JÚNIOR
Externo à Instituição - ELIAS ARIEL DE MOURA - UFRR
Notícia cadastrada em: 27/01/2021 15:24
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 28/10/2021 02:37