Notícias

Banca de DEFESA: MAYRA LAYRA DOS SANTOS ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MAYRA LAYRA DOS SANTOS ALMEIDA
DATA: 21/02/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do Campus Professora Cinobelina Elvas - CPCE/UFPI;
TÍTULO:

PRODUTOS NATURAIS COMO AGENTE ALTERNATIVO NO CONTROLE Heterotermes sulcatus (MATHEWS, 1977) ISOPTERA RHINOTERMITIDAE



PALAVRAS-CHAVES:

Controle Alternativo, Térmitas praga, Bioinseticidas, Euphorbiaceae


PÁGINAS: 58
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
SUBÁREA: Fitotecnia
RESUMO:

Os cupins são insetos sociais comumente conhecidos pelos danos que provocam tanto no setor agrícola como em áreas urbanas. Eles são responsáveis por perdas significativos em diversas culturas como: cana-de-açucar (Saccharum officinarum L), arroz (Oryza sp), milho (Zea mays L.), soja (Glycine max L.) e eucalipto (Eucalyptus globulus Labill). Entre os cupins considerados praga encontra-se os do gênero Heterotermes, sendo no Brasil encontradas cinco espécies, as quais todas são consideradas pragas agrícolas e/ou urbanas. Na região nordeste, H. sulcatus ,Mathews, 1977 (Isoptera, Rhinotermitidae)  foi recentemente encontrado infestando troncos de cajueiros (Anacardium occidentale Linn), o que provavelmente contribuiu com a queda de produção na região sul do Piauí.  A principal estratégia utilizada no controle de cupins é o tratamento do solo com inseticidas químicos que embora eficientes, geram danos ao meio ambiente e a saúde do homem. Como alternativa, pesquisas vêm sendo realizadas com o intuito de encontrar substâncias bioativas presentes nos metabólitos secundários das plantas para serem utilizadas em iscas de controle. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial termiticida de Croton urucurana Baill e monoterpenos presentes em óleos essenciais de diferentes plantas sobre H. sulcatus. O experimento foi desenvolvido no Laboratório de Zoologia da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Profa. Cinobelina Elvas (CPCE). Os bioensaios foram realizados em placas de Petri, com 100 operários forrageiros e observados por 15 dias. Foi avaliada a eficiência de diversas concentrações do extrato bruto e fracionado C.urucurana assim como, dos óleos essenciais (monoterpenos) extraídos de Schinus terebinthifolius Raddi. (Anacardiaceae), P Pittosporum undulatum , L. sidoides  , Origanum vulgare L., (Lamiaceae), Mentha piperita L., e Croton cajuçara Benth. (Euphorbiaceae). Os dados foram analisados pelo teste de Log-rank (Graph-Pad Prism 4) e Probit por intermédio do procedimento PROC PROBIT do programa Systen of Statistical Analyses (SAS), para estimar a concentração letal-CL e tempo letal -TL. Como resultado foi obtido que o extrato bruto de C. urucurana Baillon.(Euphorbiaceae) e as fração etanol-água causaram 100% de mortalidade com 4 e 7 dias na concentração de 5000 ppm. A fração etanol-água obteve os menores valores de CL50 e CL95. Esta mesma concentração apresentou a menor estimativa de TL 50 e TL95. Já os monoterpenos limoneno e carvacrol apresentaram os menores valores de TL50 (TL50=4,6 e 3,5) e foram considerados os mais tóxicos para H. sulcatus. Mentol, timol e β pineno, mostraram efeito lento com 100% de mortalidade dos cupins no final do experimento (15 dias). A partir dos resultados é possível constatar que algumas substâncias bioativas presente no extrato de C. urucurana e nos monoterpenos dos óleos essenciais possuem grande potencial para o desenvolvimento de métodos alternativos para o controle de H. sulcatus.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2076988 - CATARINA DE BORTOLI MUNHAE
Interno - 196.591.208-77 - FABIANA ELAINE CASARIN DOS SANTOS - UNESP
Presidente - 1494669 - LUCIANA BARBOZA SILVA
Externo à Instituição - PATRÍCIA MARIA GUEDES PAIVA - UFPE
Notícia cadastrada em: 14/02/2014 10:39
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 28/10/2021 01:22