Notícias

Banca de DEFESA: JESSIANNE DA SILVA MIRANDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JESSIANNE DA SILVA MIRANDA
DATA: 23/06/2017
HORA: 14:30
LOCAL: Sala de Reuniões/ CMRV
TÍTULO: ASSOCIAÇÃO DOS POLIMORFISMOS CDH1 -160C/A E TP53 ARG72PRO COM A SUSCEPTIBILIDADE E O PRÓGNOSTICO DO CÂNCER DE PRÓSTATA DE ALTO RISCO NO ESTADO DO PIAUÍ
PALAVRAS-CHAVES: Agressividade, Fatores de riscos, Idosos, Variação Genética
PÁGINAS: 53
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

O Câncer de Próstata é a malignidade não cutânea mais frequentemente diagnosticada em homens mais velhos, o que o torna um grave problema de saúde pública nos dias atuais. Apesar dos fatores de riscos relacionados com seu desenvolvimento serem conhecidos, a sua patogênese é pouco compreendida, principalmente quanto à sua relação com os fatores genéticos. A expressão e/ou função anormal de genes como CDH1 e TP53 contribuem para progressão tumoral pelo aumento de invasão e metástase, por isso são frequentemente relatados em tumores de Próstata sendo assim, esses genes podem ser potenciais marcadores genéticos e auxiliar na identificação de indivíduos com susceptibilidade aumentada para essa neoplasia. O trabalho compreende um estudo caso-controle com 156 pacientes com Câncer de Próstata classificados de alto risco de acordo com D’Amico, diagnosticados no Hospital São Marcos, em Teresina-PI e 193 controles saudáveis, sem histórico de câncer. Tem como objetivo identificar associações dos polimorfismos CDH1-160C/A e TP53 Arg72Pro com a susceptibilidade e o prognóstico do Câncer de Próstata de alto risco pelas variáveis cliniopatológicas nos pacientes do estado do Piauí. A análise dos polimorfismos foi realizada pela técnica de reação em cadeia da polimerase e subsequente digestão enzimática (PCR-RFLP). Para a análise dos dados utilizou-se o programa estatístico SPSS com a significância estatística estabelecida em p≤0,05. As análises de correlação, Odds Ratio (OR) em um intervalo de confiança (IC) de 95% serão avaliados por um o modelo de Regressão Logística não condicional. A distribuição das frequências alélicas dos polimorfismos CDH1 -160 C/A e TP53 Arg72Pro (OR=1,17, IC 95% 0,84-1,63, p=0,38 e OR=0,88, IC 95% 0,64-1,20, p=0,47), respectivamente não apresentaram diferenças estatisticamente significativas entre os grupos controles e casos. Nossos resultados não indicaram susceptibilidade para o Câncer de Próstata na presença dos polimorfismos CDH1 -160 C/A e TP53 Arg72Pro. Além disso não se observou associação dos polimorfismos com prognóstico do Câncer de Próstata de alto risco pela análise das variáveis clinicas dos casos: níveis séricos de PSA, escore de Gleason e estágio tumoral TNM (p>0,05). Estudos contínuos são necessários para o melhor esclarecimento que o efeito das variações genéticas atuam como fator de susceptibilidade para o Câncer de Próstata.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1553556 - FABIO JOSE NASCIMENTO MOTTA
Interno - 1551972 - FRANCE KEIKO NASCIMENTO YOSHIOKA
Presidente - 1551921 - GIOVANNY REBOUCAS PINTO
Notícia cadastrada em: 01/06/2017 09:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 08/12/2022 10:42