Notícias

Banca de DEFESA: CLAUDIA SOUSA PIRES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CLAUDIA SOUSA PIRES
DATA: 24/05/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Sala da Pós-Graduação PPGBiotec_UFDPar
TÍTULO: NANOEMULSÕES À BASE DE GOMA DO CAJUEIRO E ÓLEO ESSENCIAL DE CRAVO (Syzygium aromaticum L.) : POTENCIAIS ANTIOXIDANTE E ANTIMICROBIANO PARA APLICAÇÃO EM PESCADO
PALAVRAS-CHAVES: Nanoemulsões: Óleo Essencial de Cravo (Syzygium aromaticum L.); Goma do cajueiro antimicrobiano; antioxidante; pescados.
PÁGINAS: 46
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

O pescado é um alimento susceptível à deterioração devido às suas características intrínsecas, manter a qualidade da carne por um maior período tem sido um dos grandes desafios da indústria de alimentos. Compostos bio ativos nanoencapsulados têm se mostrado eficazes na melhoria da qualidade e segurança dos produtos alimentícios. Considerando que existem óleos essenciais, componentes que poderão manter essa qualidade por mais tempo, obtido de fontes renováveis e de baixa toxicidade. Porém, o uso e a aplicação dos óleos essenciais em sua forma pura apresentam algumas limitações, como sua volatilidade, alta reatividade e hidrofobicidade, dificultando sua incorporação direta em alimentos. Visando manter suas propriedades biológicas e diminuir o impacto de sua aplicação nos alimentos, o óleo essencial do cravo (Syzygium aromaticum L.) foi incorporado à goma do cajueiro (Anacardium occidentale L.) para a produção de nanoemulsões. Foi feita a produção e caracterização das nanoemulsões com óleo essencial de cravo (OEC), a partir da mistura entre fase aquosa e orgânica, constituída pelo OEC e um surfactante Tween 80 e a goma do cajueiro (GC) como polímero. Após a caracterização, foi feita a comparação entre diferentes concentrações da GC 0,5% e 1% OEC 0,5%, 1% e Tween 80 0,5% e 1%. As formulações foram caracterizadas quanto a morfologia, distribuição de tamanho de partícula, carga superficial, eficiência de incorporação e estabilidade coloidal através das técnicas de microscopia, espalhamento de luz dinâmico, potencial Zeta e espectroscopia de absorção UV-Vis. Posteriormente foi feito atividades antioxidantes método ABTS e DPPH e antimicrobianas com bactérias Gram-positivas e Gram-negativas. Todas as nanoemulsões apresentaram atividade antioxidante através do método DPPH e ABTS. Já para os ensaios microbiológicos apenas uma das amostras contendo 0,5% de OEC não apresentou atividade antimicrobiana para uma bactéria. Desta forma, podemos afirmar que as nanoemulsões de OEC apresentam potencial promissor na aplicação do camarão diminuindo a atividade oxidativa e a ação de microrganismos e podendo substituir o metabissulfito agente químico usado como conservante na indústria de pescados, consequentemente aumentando o tempo de prateleira. Para aplicação no pescado foi selecionada a nanoemulsão que apresentou dentre outros a menor concentração de óleo essencial com atividade antimicrobiana e antioxidante.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1718303 - DURCILENE ALVES DA SILVA
Interno - 841.003.203-10 - LEIZ MARIA COSTA VERAS - UFPI
Externo ao Programa - 1219708 - THAIS DANYELLE SANTOS ARAÚJO
Notícia cadastrada em: 19/05/2023 15:54
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 14/07/2024 22:50