Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: NATHANAEL DOS SANTOS ALVES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NATHANAEL DOS SANTOS ALVES
DATA: 10/08/2023
HORA: 15:00
LOCAL: Sala da Pós-Graduação PPGBiotec_UFDPar
TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM DISPOSITIVO PARA TRATAMENTO DE ESTOMATITE AFTOSA À BASE DE BIOPOLÍMEROS E Terminalia fagifolia MART
PALAVRAS-CHAVES: Biofilme, mucoadesivo, bioimpressão, candidíase oral, fitoterápico.
PÁGINAS: 40
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Bioquímica
RESUMO:

O gênero fúngico Candida pertencente à família das Cryptococcaceae, sendo que a espécie C. albicans é um microrganismo oportunista que faz parte da microbiota humana e pode causar infecções quando o hospedeiro se encontra com alguma desordem imunológica ou desequilíbrio na microbiota normal. Candida é um fungo patogênico que se encontra isolada em torno de 80% das lesões na mucosa da boca, causando a candidíase oral. O desenvolvimento de novos métodos terapêuticos contra a doença é necessário, pois ela atinge populações imunossuprimidas como neonatos, cuja imunidade ainda está em desenvolvimento, idosos, paciente em tratamento com quimioterapia e pessoas com a síndrome da imunodeficiência adquirida (HIV/AIDS). Terminalia fagifolia Mart. é uma espécie vegetal oriunda do cerrado brasileiro usada popularmente para tratar diversas enfermidades, dentre elas aftas e distúrbios intestinais. Pesquisas já comprovam a atividade anti-Candida desta planta. Esta pesquisa se concentra no desenvolvimento de um biofilme mucoadesivo de matriz biodegradável a base de polímeros naturais e extrato derivado de T. fagifolia como forma de um tratamento alternativo fitoterápico para o tratamento de candidíase oral atuando como um sistema de liberação modificada a fim de que haja uma melhor absorção da substância sobre a lesão. Para a produção do biofilme foi utilizado o método de evaporação de solvente em temperatura controlada. O filme foi avaliado quanto a espessura e foi caracterizado por FTIR. A atividade antifúngica do extrato etanólico de T. fagifolia foi estudada por meio de determinação da concentração inibitória mínima (CIM), com posterior avaliação das alterações morfológicas por microscopia de força atômica (MFA) e influência sobre formação de tubo germinativo. Após a confecção do biofilme, foi realizado testes in vitro para avaliação da atividade antifúngica pela técnica de difusão em ágar. Observou-se que o filme contendo o extrato etanólico, teve uma espessura média de 0,021 mm e o filme controle teve 0,014 mm de espessura média. Na análise de FTIR, sugere-se que houve a mistura dos polímeros com o extrato etanólico. O potencial antifúngico do extrato etanólico foi comprovado nos testes realizados, com CIMs variando de 8 a 64 µg/mL. Os filmes contendo o extrato etanólico também apresentaram potencial inibitório, diferente daqueles contendo apenas a matriz polimérica. Diante da crescente resistência a antifúngicos e da dificuldade de adesão das atuais formas farmacêuticas de medicamentos, o tratamento com o biofilme mucoadesivo pode mudar esse cenário por oferecer uma proposta fitoterápica e ecologicamente correta e de fácil adesão pelos usuários por ter uma praticidade no ato da aplicação.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 995.992.603-68 - ALYNE RODRIGUES DE ARAUJO - UFPI
Interno - 1718303 - DURCILENE ALVES DA SILVA
Interno - 841.003.203-10 - LEIZ MARIA COSTA VERAS - UFPI
Notícia cadastrada em: 12/07/2023 18:27
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 18/07/2024 07:24