Notícias

Banca de DEFESA: NATHANAEL DOS SANTOS ALVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NATHANAEL DOS SANTOS ALVES
DATA: 29/02/2024
HORA: 14:00
LOCAL: Sala PPGBiotec
TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM DISPOSITIVO ANTI-CANDIDA PARA TRATAMENTO DE ESTOMATITE AFTOSA À BASE DE BIOPOLÍMEROS E Terminalia fagifolia MART.
PALAVRAS-CHAVES: Estomatite aftosa; Candidíase oral; Biopolímeros; Fitoterápico.
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Biomedicina
RESUMO:

A Estomatite Aftosa Recorrente (EAR) é uma condição inflamatória frequente na mucosa oral, caracterizada por lesões ulcerativas recorrentes e dolorosas. Essas lesões geralmente aparecem na mucosa oral desassociada dos lábios, bochechas e língua. Na cavidade oral, as manifestações clínicas da candidíase podem coincidir com alterações na mucosa. A infecção fúngica na boca, orofaringe e hipofaringe causa sintomas de ardor, tornando a ingestão de alimentos desconfortável. A utilização de polímeros naturais destaca-se como uma alternativa promissora na área de nanomedicina e nanotecnologia. Os biopolímeros têm demonstrado ser excelentes veículos para fármacos, permitindo inovações na formulação farmacêutica, especialmente quando associados a substâncias com propriedades farmacológicas, como extratos de plantas, permitindo o desenvolvimento de fitoterápicos biocompatíveis e biodegradáveis. Esta pesquisa concentra-se no desenvolvimento de um biofilme mucoadesivo, com matriz biodegradável, composto por polímeros naturais e derivado de Terminalia fagifolia Mart. A produção do biofilme foi realizada pelo método de evaporação de solvente a uma temperatura controlada. O filme resultante foi avaliado quanto à espessura e caracterizado por FTIR, microscopia de força atômica, teor de umidade e ensaio de liberação. A atividade antifúngica do derivado de T. fagifolia foi investigada, determinando-se a concentração inibitória mínima (CIM) e avaliando as alterações morfológicas por microscopia de força atômica, bem como sua influência na formação de tubo germinativo. Testes in vitro foram conduzidos para avaliar a atividade antifúngica do biofilme usando a técnica de difusão em ágar. Observou-se que o biofilme contendo o derivado de T. fagifolia apresentou uma espessura média de 0,0346 mm, enquanto o filme controle tinha uma espessura média de 0,0266 mm. A análise de FTIR sugeriu sobreposição de picos entre os polímeros e o ativo. A eficácia antifúngica do ativo vegetal foi confirmada com CIMs variando de 8 a 64 µg/mL. Os filmes contendo o derivado de T. fagifolia também exibiram potencial inibitório, ao contrário dos filmes apenas com a matriz polimérica. Diante da resistência crescente a antifúngicos e da dificuldade de aderência às formas farmacêuticas atuais, o tratamento com o biofilme mucoadesivo pode representar uma mudança positiva, oferecendo uma abordagem fitoterápica, ecologicamente correta e fácil de usar durante a aplicação.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 995.992.603-68 - ALYNE RODRIGUES DE ARAUJO - UFPI
Interno - 1718303 - DURCILENE ALVES DA SILVA
Interno - 841.003.203-10 - LEIZ MARIA COSTA VERAS - UFPI
Externo à Instituição - PAULINE SOUSA DOS SANTOS - UNINASSAU
Notícia cadastrada em: 31/01/2024 20:10
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 20/07/2024 00:08