Notícias

Banca de DEFESA: MARCIO MORAIS SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARCIO MORAIS SILVA
DATA: 15/04/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Video Newton Lopes
TÍTULO:

A concepção de pessoa na justiça como equidade de John Rawls

 


PALAVRAS-CHAVES:

 Pessoa moral, faculdades morais, posição original, justiça como equidade, prioridade do justo, concepção política de pessoa.


PÁGINAS: 95
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Filosofia
SUBÁREA: Ética
RESUMO:

John Rawls, em sua justiça como equidade, objetivou especificar princípios de justiça que pudessem ordenar uma sociedade caracterizada pelo pluralismo de valores. Esses princípios teriam que oferecer uma concepção de justiça que estabelecesse uma relação satisfatória entre os valores de igualdade e liberdade. Para eleger tais princípios o filósofo se utilizou de uma situação inicial de igualdade (posição original) em que as partes (representantes hipotéticos das pessoas), sob um “véu de ignorância”, não teriam conhecimento acerca de suas possíveis características pessoais. Desse modo, as pessoas não seriam caracterizadas como seguidoras de alguma concepção específica do bem, mas apenas como pessoas morais (livres e iguais) possuidoras de um senso de justiça e de uma concepção de bem. Vários críticos, entre eles os comunitaristas, apontaram essa concepção de pessoa como uma debilidade da teoria rawlsiana, alegando que a mesma não refletia o modo como os cidadãos se concebem em suas vidas normais. Tais críticas se reportam em especial a Uma teoria da justiça, escrito no qual o próprio Rawls considera que estaria elaborando uma doutrina moral abrangente, o que gerou algumas inconsistências. Para sanar tais inconsistências, Rawls, em escritos posteriores, renuncia à pretensão universalista de seu primeiro grande escrito assumindo um projeto estritamente político voltado para as sociedades democráticas culminando com a publicação de O liberalismo político. Nessa obra, o caráter político da justiça como equidade é posto em evidência de forma mais clara e a concepção de pessoa pressuposta pela teoria – agora política – fica restrita também ao âmbito do político, sendo caracterizada como livre, igual, racional e razoável. Tendo a concepção de pessoa como um aspecto necessário para a construção de um sistema social justo e estável, o presente estudo objetiva analisar tal concepção no desenvolvimento da justiça como equidade e sua importância para uma concepção de justiça adequada para uma sociedade democrática moderna.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - EVANDRO BARBOSA DA SILVA - UFPel
Externo ao Programa - 1167769 - RAIMUNDO BATISTA DOS SANTOS JUNIOR
Externo à Instituição - WALTER VALDEVINO OLIVEIRA SILVA - UFRRJ
Notícia cadastrada em: 18/03/2015 14:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 07/08/2022 15:43