Notícias

Banca de DEFESA: ALESSANDRA RIBEIRO FREITAS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALESSANDRA RIBEIRO FREITAS
DATA: 17/12/2018
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do Programa Pós-Graduação em Ciência dos Materiais (PPGCM /UFPI)
TÍTULO: Polissacarídeo exsudado da Sterculia striata: propriedades e aplicação no delineamento de sistemas de formulações farmacêuticas
PALAVRAS-CHAVES: pH-responsivo. Mucoadesão. Antibacteriano. Goma aminada. Insulina
PÁGINAS: 106
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
RESUMO:

A Sterculia striata é uma planta nativa do cerrado brasileiro que produz um polissacarídeo exsudato (goma) com composição similar a goma karaya, uma goma comercial empregada na indústria farmacêutica. O objetivo deste trabalho de tese foi avaliar as propriedades do exsudato da Sterculia striata a fim de ampliar o seu potencial em aplicações no campo farmacêutico. A primeira fase deste estudo apresentou uma análise bibliométrica a respeito das potencialidades de aplicações para as espécies do gênero Sterculia na área farmacêutica. Foi possível observar pesquisas voltadas para estudo das propriedades reológicas, influência do pH, modificação química, desenvolvimento de sistemas de liberação de fármacos e estudos in vivo. Após a visão panorâmica do gênero, o estudo voltou-se para a espécie Sterculia striata e os resultados obtidos evidenciaram apenas 23 estudos sobre os produtos obtidos a partir de diversas partes da planta, dentre elas, deu-se enfoque aos estudos sobre o polissacarídeo exsudato onde foram encontrados apenas 8 artigos. Estes abordaram estudos sobre caracterizações físico-químicas, reologia e aplicações em formulações farmacêuticas e filmes. Na prospecção tecnológica sobre esta espécie foi observado apenas um pedido de depósito de patente, o que favorece a pesquisa e desenvolvimentos de novos produtos com potencial de aplicação na indústria farmacêutica. Na segunda fase a goma foi isolada e purificada e a sensibilidade deste polissacarídeo ao pH foi avaliada. Os resultados obtidos mostraram que o pH influencia no potencial zeta da goma Sterculia striata. Os valores de potencial zeta diminuíram significativamente de 0.939 mV para -74.9 mV à medida que o pH aumentou de 1 a 7 e quando o pH aumentou de 8 até 10 o potencial zeta aumentou de -73.9mV para -70.01mV. As análises reométricas evidenciaram alterações na viscosidade em resposta a testes realizados a diferentes pH’s. Esta resposta pode ser útil no desenvolvimento de novos sistemas de liberação de fármacos, tendo em vista que o corpo humano apresenta variações de pH, como por exemplo, ao longo do trato gastrointestinal, o que imprimiria na variação do comportamento do exsudato para liberação de fármacos. A resposta a variação do pH na viscosidade e potencial zeta da goma torna-se assim relevante para o emprego em sistemas de liberação de fármacos. Na terceira fase a goma foi modificada por meio da reação de aminação e a modificação foi comprovada pela técnica FTIR. Esta modificação alterou a massa molar da goma. As análises de cromatografia de permeação em gel evidenciaram que a goma nativa apresentou uma massa molecular de aproximadamente 1,8x107 g.mol-1, enquanto que goma modificada apresentou uma massa molecular de 6,3x106 g.mol-1. Através das análises de potencial zeta foi possível observar que a carga superficial reduziu, a goma nativa apresentou uma carga superficial no valor de -59,1 ± 0,794 enquanto que a goma aminada apresentou um valor de -33,1 ± 3,32. Estudos de mucoadesão ex vivo também foram realizados e a goma aminada apresentou uma força de adesão de 80,27 mN, enquanto a goma nativa apresentou uma força de 78,80 mN. A aminação também promoveu um aumento na atividade antimicrobiana. Neste aspecto, a goma nativa apresentou um efeito inibitório de 69,27% para S. aureus e após a modificação este efeito aumentou para 89,77%. Estes resultados sugerem que a aminação melhorou as propriedades da goma, aumentando assim o seu potencial em aplicação no campo farmacêutico. Na quarta fase uma formulação oral para proteínas terapêuticas foi desenvolvida e a insulina foi utilizada como fármaco modelo. A formulação apresentou eficiência de encapsulação de cerca de 70% de insulina. A estabilidade de armazenamento foi monitorada durante 30 dias através da análise do potencial zeta e a formulação manteve-se estável ao longo desses 30 dias. A mucoadesão ex vivo foi avaliada em texturômetro e a formulação apresentou força de adesão de 92,46mN. Além disso, a formulação foi capaz de proteger 64% da insulina em meio gástrico simulado em ensaio de liberação in vitro, demonstrando que a goma Sterculia striata pode ser promissora no desenvolvimento de novas formulações farmacêuticas. Por fim, foi realizado o pedido de depósito da formulação foi submetido ao Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia da Universidade Federal do Piauí.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1553988 - EDSON CAVALCANTI DA SILVA FILHO
Externo ao Programa - 008.162.434-41 - JOSE LAMARTINE SOARES SOBRINHO - UFPE
Externo ao Programa - 1714193 - JOSE MILTON ELIAS DE MATOS
Interno - 1512631 - LIVIO CESAR CUNHA NUNES
Externo ao Programa - 2199134 - MARCILIA PINHEIRO DA COSTA
Notícia cadastrada em: 21/11/2018 10:11
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 06:10