Notícias

Banca de DEFESA: BORIS TIMAH ACHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BORIS TIMAH ACHA
DATA: 27/04/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais
TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTINOCICEPTIVA E MECANISMO DE AÇÃO DO TERPINOLENO EM MODELO MURINO DE DOR NEUROPÁTICA INDUZIDA POR ANTINEOPLÁSICO
PALAVRAS-CHAVES: Monoterpeno. Terpinoleno. Paclitaxel. Dor neuropática.
PÁGINAS: 122
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
RESUMO:

A dor neuropática, resultado da neuropatia periférica induzida por quimioterápicos é um importante efeito adverso da maioria dos agentes antitumorais, incluindo o paclitaxel (PTX). Atualmente o tratamento para essa condição possui eficácia limitada e efeitos colaterais importantes. O terpinoleno (TPO) é um monoterpeno monocíclico, naturalmente encontrado no óleo essencial de várias plantas aromáticas e exibe atividades farmacológicas como a inseticida, antinociceptiva, anti-inflamatória, antifúngica, antioxidante e antibacteriana. O objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade antinociceptiva do terpinoleno em modelo murino de dor neuropática induzida por paclitaxel. Foram utilizados camundongos Swiss machos e fêmeas (Comitê de Ética em Experimentação Animal - UFPI No 736/2022). A dor neuropática foi induzida pela administração intraperitoneal contínua de PTX 2 mg/Kg por 4 dias consecutivos. A avaliação da nocicepção mecânica (teste von Frey), ao frio (teste acetona) e térmica (teste da placa quente) foi realizada para verificar a instalação e manutenção da neuropatia, além da eficácia do terpinoleno. Para isso, os animais foram divididos em 6 grupos (n = 6 animais/grupo). No tratamento agudo, os animais receberam uma dose de TPO em grupos distintos (50, 100 ou 200 mg/Kg, v.o), veiculo (controle negativo, tween 80 a 2% e NaCl 0,9%, v.o) ou morfina (10 mg/Kg, ip) e as avaliações comportamentais foram realizadas nos tempos 0, 60, 120, 180 e 240 minutos. No tratamento subagudo, os animais reeberam, diariamente, 3 doses de TPO em grupos distintos (50, 100 e 200 mg/Kg, v.o), veiculo ou pregabalina (10 mg/Kg, ip) e as avaliações foram realizadas em dias alternadas, a contar do 9o até 19o do protocolo experimental. Posteriormente, foram realizados estudos de docking molecular através do AutoDockVina e BIOVIA Discovery Studio para verificar as interações de TPO com alvos biológicos envolvidos na nocicepção (receptores de serotonina, canabinoides, gabaérgico, opioide, vanilóide e canais de potássio). Para investigação do mecanismo de ação do TPO, foram avaliados os níveis de superóxido dismutase (SOD), glutationa redutase (GSH) e malondialdeído (MDA) no soro dos animais e a participação das vias opioidérgica, gabaérgica, serotoninérgica, L-arginina/óxido nítrico, canais de K+ e Na+, utilizando seus respectivos antagonistas (naloxona, flumazenil, centaserina, L-NOARG, glibenclamida e fenitoína, respectivamente). TPO 200 mg/Kg aumentou o limiar nociceptivo mecânico dos animais neuropáticos comparados com o grupo do controle negativo. No tratamento subagudo, TPO aumentou de forma significativa o limiar nociceptivo mecânico e reduziu a sensibilidade ao frio em todas as doses avaliadas quando comparado ao controle negativo. Adicionalmente, TPO 200 mg/Kg diminuiu a sensibilidade térmica ao aumentar a latência de resposta aos estímulos térmicos. O docking molecular mostrou que TPO possui menor energia de interação para os receptores serotoninérgicos (5HT-3) e subunidade α2δ de canais de cálcio voltagem-dependentes, comparado com ligantes controles. Na avaliação do mecanismo de ação, o TPO 200 mg/Kg aumentou os níveis de GSH no soro dos animais. O efeito antinociceptivo do TPO 200 mg/Kg foi revertido pelo pré-tratamento com naloxona, centaserina, ondansetrona, L-arginina e glibenclamida, sugerindo a participação dos sistemas opioide e serotoninérgico, da via L-arginina/óxido nítrico assim como os canais K+ATP e L-arginina/óxido nítrico no efeito antinociceptivo do monoterpeno sobre a dor neuropática induzida pelo paclitaxel. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3107513 - DALTON DITTZ JUNIOR
Externo à Instituição - DJANE BRAZ DUARTE - UnB
Interno - 1167629 - FERNANDA REGINA DE CASTRO ALMEIDA
Interno - 3022920 - GUILHERME BARROSO LANGONI DE FREITAS
Notícia cadastrada em: 13/04/2023 16:15
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 18/07/2024 17:19