Notícias

Banca de DEFESA: ANDRE DOS SANTOS GONCALVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANDRE DOS SANTOS GONCALVES
DATA: 08/08/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Museu de Arqueologia da UFPI
TÍTULO:

Arqueologia no Quintal e os Desafios da Conservação de Sítios Arqueológicos no Município de São José do Piauí


PALAVRAS-CHAVES:

Inscrições rupestres. Conservação de arte rupestre. Mito do tesouro. Conservação integrada.


PÁGINAS: 137
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Arqueologia
SUBÁREA: Arqueologia Pré-Histórica
RESUMO:

Neste trabalho foram investigados os sítios arqueológicos Morro do Letreiro e Morro do Letreiro III, situados na área urbana do município de São José do Piauí, Nordeste do Brasil, devido ao rico acervo de inscrições rupestres neles contidas e, ao mesmo tempo, pelo avançado estado de degradação em que se encontram. Os registros gráficos consistem majoritariamente de motivos geometrizados, embora sejam observados alguns poucos antropomorfos e zoomorfos, pintados quase exclusivamente em diferentes tonalidades de cor vermelha, havendo também inscrições nas cores amarela e branca. Há registros bicrômicos em vermelho e amarelo e em vermelho e branco, ocorrendo raros casos de sobreposições. A existência de respingos de tinta vermelha em um dos sítios arqueológicos permite inferir que o pigmento foi aplicado na forma líquida. Além das pinturas rupestres, o sítio Morro do Letreiro III contém também motivos gravados, delicadamente elaborados em um bloco rochoso que repousa no piso da área abrigada. Os sulcos foram efetuados por picoteamento e consistem de algumas cúpulas, um motivo geometrizado em forma de grade, além de uma pegada de ave. Os problemas de conservação de origem natural consistem principalmente de trincas, escamações e desplacamentos do suporte rochoso, um arenito muito friável e em estado avançado de decomposição; ninhos e galerias de cupins; plantas trepadeiras; ninhos de vespas-marimbondo e vespas-maria pobre; espessas camadas de eflorescências salinas; manchas negras, causadas pela ação da água e por micro-organismos. Os principais problemas de origem antrópica são pichações, realizadas com diferentes materiais; utilização dos sítios como área de lazer, inclusive com utilização de fogueiras; deposição de lixo; e as sérias degradações resultantes do mito do tesouro. Os problemas de conservação foram monitorados em diversas campanhas de campo, inclusive com a realização de medidas experimentais para avaliar temperatura, umidade relativa do ar ambiente e velocidade dos ventos, tanto ao longo do dia quanto em diferentes períodos do ano. Na interação com a comunidade do entorno observou-se que a mesma não reconhece os sítios arqueológicos investigados como parte de sua herança cultural. Portanto, os moradores locais não têm um sentimento de pertencimento em relação às inscrições rupestres e aos momumentos geológicos, aspecto que infelizmente tem gerado/agravado diversos problemas de conservação de origem antrópica. Após o processamento e avaliação dos dados e informações gerados neste trabalho, recomenda-se a Conservação Integrada como o tipo de medida de conservação que mais se adequa a este caso, visto que busca incluir a comunidade local em todas as etapas de conservação e proteção ao patrimônio. Devido ao caráter emergencial, aconselha-se a realização de conservação in situ e educação patrimonial.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1656914 - LUIS CARLOS DUARTE CAVALCANTE
Interno - 1520279 - FRANCISCA VERONICA CAVALCANTE
Interno - 423455 - SONIA MARIA CAMPELO MAGALHAES
Externo ao Programa - 1571966 - GUSTAVO SILVANO BATISTA
Notícia cadastrada em: 04/08/2015 18:15
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 05/10/2022 21:51