Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: HELOISA BITU FERRAZ

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: HELOISA BITU FERRAZ
DATA: 25/05/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Museu de Arqueologia
TÍTULO: O Sítio Rupestre de Santa Fé-CE: Documentação e Diagnóstico Técnico de Conservação
PALAVRAS-CHAVES: Arte Rupestre; Conservação; Sítio Santa Fé - CE
PÁGINAS: 61
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Arqueologia
SUBÁREA: Arqueologia Pré-Histórica
RESUMO:

A presente dissertação se insere na linha de pesquisa de conservação preventiva para o Sítio de Arte Rupestre de Santa Fé, no município de Crato, agregado à Área Arqueológica da Chapada do Araripe, região do Cariri cearense, de coordenadas geográficas: UTM E 443766 N 9206946, referência significativa da presença do homem em períodos pré-coloniais na região. O sítio em referência, apresenta consideráveis unidades de gravuras, - inclusive em especial, ao centro de seu corpus gráfico, um conjunto delas pintadas que demonstram elementos técnicos, forma e tema singulares, todavia encontram-se em avançado estado de degradação com problemas de ordem bio-físico-químico natural. Por apresentarem-se incompletas, fato que expõem exponencialmente sua estabilidade rochosa interna, encontram-se sob ameaça precoce de desaparecimento. Ciente que a documentação é uma etapa fundamental para o estudo da arte rupestre e que a qualidade desta é o que vai sustentar as mais diversas análises posteriores e as ações futuras de gestão conservacionistas, pretende-se também colaborar aos métodos de disseminação educativa, buscando apresentar de maneira didática ilustrativa os resultados do diagnóstico técnico dos seus principais agentes de degradação, fundamentados nos trabalhos teóricos-metodólogicos de mesmo cunho desenvolvidos na França e Nordeste do Brasil. Sinalizando as causas determinantes da deterioração de seu painel gráfico respeitando categoricamente as etapas definidas pelos especialistas e os princípios das cartas internacionais da UNESCO, as quais guiam as ações conservacionistas, sob a ótica do respeito à manutenção da autenticidade da obra e sob a perspectiva de intervenção mínima, se propõe finalmente elencar ações práticas, rápidas, capazes de desacelerar o visível desgaste que este patrimônio material arqueológico vem sofrendo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423453 - MARIA CONCEICAO SOARES MENESES LAGE
Interno - 2266305 - ANA LUISA MENESES LAGE DO NASCIMENTO
Interno - 2297796 - GREGOIRE ANDRE HENRI MARIE GHISLAIN VAN HAVRE
Interno - 2153338 - MARIA DO AMPARO ALVES DE CARVALHO
Interno - 423455 - SONIA MARIA CAMPELO MAGALHAES
Notícia cadastrada em: 17/05/2017 14:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 02/10/2022 10:10