Notícias

Banca de DEFESA: DANYEL DOUGLAS MIRANDA DE ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DANYEL DOUGLAS MIRANDA DE ALMEIDA
DATA: 24/01/2022
HORA: 09:00
LOCAL: Defesa remota via Internet
TÍTULO: Análise arqueométrica e proposta de conservação no sítio arqueológico Morro do Letreiro, Palmeirais, Piauí, Brasil
PALAVRAS-CHAVES: Conservação de Arte Rupestre. Arqueometria. Sítio Arqueológico Morro do Letreiro.
PÁGINAS: 144
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Arqueologia
SUBÁREA: Teoria e Método em Arqueologia
RESUMO:

A presente pesquisa objetiva propor medidas de conservação de arte rupestre a partir da documentação e caracterização químico-mineralógica dos pigmentos e depósitos de alteração encontrados no sítio arqueológico Morro do Letreiro, município de Palmeirais, Piauí, Brasil. Justifica-se o tema por se tratar do estabelecimento de metodologias que possam ser aplicadas na etapa de intervenção e remoção dos depósitos de alteração, tanto do sítio em questão como de outros sítios arqueológicos com problemas similares, uma vez que sítios com arte rupestre apresentam valor inestimável como patrimônio da humanidade e que geram conhecimentos sobre o passado. Para que fossem alcançados os objetivos, foram realizadas pesquisas bibliográficas sobre a arte rupestre, sua conservação e arqueometria. Também foi necessária a realização de um levantamento referencial do contexto etnohistórico, historiográfico e dos fatores geoambientais que formam o município de Palmeirais. Para mais, as visitas de campo ao sítio arqueológico tiveram a aplicação de metodologias já conhecidas pelo grupo de pesquisa em Arqueometria da Universidade Federal do Piauí, na busca da documentação do painel gráfico, bem como dos problemas de conservação. Por fim, os dados coletados foram tratados em laboratório, sendo organizadas as imagens dos exames por microscopia óptica, tratamento de imagem com a utilização de filtros DStretch®, construção dos espectros das análises por EDXRF e de gráficos das medidas microclimáticas do sítio arqueológico. A partir disso, entendeu-se o contexto etnohistórico do aldeamento de São Gonçalo do Amarante, marcado pelo genocídio indígena dos povos Acaroás e Gueguês. Quanto a paisagem do sítio arqueológico, foram debatidos aspectos como acessibilidade, visibilidade, visualização e arqueoacústica, que foram determinantes para ocupação do sítio, ocorrendo apropriações e usos dessas variáveis. A relação e localização do painel gráfico, no teto do abrigo, foram interpretadas como influenciadores dos motivos desenhados. Ademais, de acordo com as observações, foram identificadas duas técnicas na confecção das pinturas, uma formada pelo preparo de tinta e outra pela fricção direta da matéria-prima, crayon. A tinta foi aplicada de forma irregular no suporte rochoso, sendo diluída de uma forma mais pastosa e outra mais líquida, quando observada por microscopia óptica portátil. Nas análises por EDXRF, observou-se que o principal elemento constituinte das pinturas é o Ferro (Fe) responsável pela variação de tonalidade de cor das tintas. A avaliação da dinâmica climática (temperatura da rocha e umidade relativa) mostrou grandes variações ao longo do dia, sendo essas uma das grandes responsáveis pelos problemas de conservação, ainda mais quando considerada a influência das águas e a condução de sais para o exterior da rocha, causando pressão que agravaram o desplacamento rochoso do sítio. Por fim, observou-se que os principais agentes de degradação tratam-se de fenômenos naturais, como o já mencionado, e de ninhos de vespas, sendo que esse último é mais fácil de ser controlado, enquanto o primeiro ainda representa um grande problema, fazendo que seja necessário o monitoramento constante do sítio arqueológico.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2266305 - ANA LUISA MENESES LAGE DO NASCIMENTO
Externo à Instituição - FABIANA COMERLATO - UFRB
Presidente - 423453 - MARIA CONCEICAO SOARES MENESES LAGE
Externo à Instituição - SUELY GLEYDE AMÂNCIO MARTINELLI - UFS
Notícia cadastrada em: 27/12/2021 19:05
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 01/10/2022 00:55