Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: AYANE ARAUJO RODRIGUES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AYANE ARAUJO RODRIGUES
DATA: 20/09/2018
HORA: 14:30
LOCAL: Sala 752 – Mestrado em Ciências Biomédicas
TÍTULO: AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES METABOLICAS E TECIDUAIS HEPÁTICA EM UM NOVO MODELO EXPERIMENTAL DE DIETA HIPERCALÓRICA
PALAVRAS-CHAVES: Fígado gordo, dieta hipercalórica, modelos animais.
PÁGINAS: 72
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

O fígado é o principal órgão metabólico dentro do corpo humano e tem um papel importante na regulação do metabolismo de carboidratos, gorduras e proteínas. A composição de macronutrientes da dieta, particularmente o alto consumo independente de carboidrato dietético, açúcares simples, gorduras, proteínas e a baixa ingestão de fibra podem estar associados ao risco de desenvolver doenças hepáticas como a Doença hepática gordurosa não alcóolica (DHGNA).Sabe-se que a ingestão total de calorias altas está associada à DHGNA e esteato-hepatite não alcoólica, e vários estudos têm sido focados no papel de nutrientes específicos, como gorduras saturadas e carboidratos, no desenvolvimento e transição da doença. O objetivo deste estudo é avaliar as alterações metabólicas e teciduais hepáticas em um novo modelo experimental de dieta hipercalórica. Foram utilizadas 16 ratas divididas em dois grupos: grupo dieta padrão e grupo dieta hipercalórica, com 8 animais cada. As ratas foram submetidas à análise dos seguintes parâmetros no tecido hepático: dosagem dos nivéis de malondialdeído (MDA), glutationa (GSH), e a atividade de mieloperoxidase (MPO). As amostras de fígado também foram sujeitas à avaliação histopatológica. Por fim, foram dosados os níveis séricos de aspartato aminotransferase (AST), alanina aminotransferase (ALT), albumina (ALB), fosfatase alcalina (FAL), acido urico (AU) e colesterol total (CT), cálcio (CA), ureia e HDL. Os resultados mostraram que houve uma diferença significativa no MDA, GSH, CT, ALT, ALB, AU, CA e HDL. A avaliação histopatológica apresentou um escore baixo, insuficiente para a classificação da DHGNA. Em conclusão, nossos achados enfatizam a dieta hipercalórica como um dos principais fatores de risco para a DHGNA e fornece uma estrutura para compreender os possíveis processos e alterações teciduais e metabólicas pelos quais esta patologia é desenvolvida.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1750086 - DANIEL FERNANDO PEREIRA VASCONCELOS
Externo ao Programa - 913.964.335-20 - JOILSON RAMOS DE JESUS - IESVAP
Externo ao Programa - 3375434 - MANOEL DIAS DE SOUZA FILHO
Notícia cadastrada em: 03/09/2018 15:08
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 29/09/2022 08:01