Notícias

Banca de DEFESA: THAYANÁ RIBEIRO SILVA FERNANDES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: THAYANÁ RIBEIRO SILVA FERNANDES
DATA: 28/10/2021
HORA: 08:30
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO: A RELAÇÃO ENTRE OS POLIMORFIMOS COMT Val158Met, DRD2/ANKK1 Taq-1A E MAOA VNTR E AS MEDIDAS DE ASSIMETRIA COMO POSSÍVEIS MARCADORES FENOTÍPICOS DE TRAÇOS ANSIOGÊNCOS: UM ESTUDO ASSOCIATIVO ENTRE A EEG E A GENÉTICA MOLECULAR.
PALAVRAS-CHAVES: GENETIC BIOMARKERS; ANXIETY; ASYMMETRY; ELECTROENCEPHALOGRAPHY.
PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

A ansiedade está entre os transtornos de saúde mental de ocorrência mais frequente em todo o mundo. Sua patogênese é considerada complexa, envolvendo interações entre fatores biológicos, ambientais e mecanismos psicológicos. Nos últimos anos, a pesquisa abriu espaço para investigar os mecanismos neurobiológicos envolvidos na ansiedade. O objetivo deste estudo foi delinear se indivíduos portadores dos polimorfismos genéticos MAOA VNTR, COMT Val158Met e DRD2/ANKK1-Taq1A modulam os aspectos cognitivos e executivos e relacionam-se ao desenvolvimento de traços ansiogênicos. A amostra, não probabilística e não aleatória por julgamento, foi composta por 103 sujeitos do sexo masculino com idades entre 19 e 31 anos (média ± DP = 22,33±2,85). O procedimento experimental descritivo quantitativo epidemiológico dividiu-se em três etapas: a primeira consistiu na aplicação do Questionário de Ansiedade de Beck; a segunda na coleta sanguínea, extração, quantificação, armazenamento e amplificação dos polimorfismos genéticos MAOA VNTR, COMT Val158Met e DRD2/ANKK1-Taq1A; e a terceira, na aquisição e análise dos dados eletroencefalográficos. Após análise comportamental, identificamos uma população com traços mínimos de ansiedade. A análise genotípica foi realizada para relacionar os genótipos dos polimorfismos COMT Val158Met e DRD2/ANKK1-Taq1A com os fenótipos obtidos pelo questionário de ansiedade, e se mostraram constantes ao longo da população. Na análise estatística, uma two-way mixed ANOVA foi realizada e observada que não houve interação significativa entre os polimorfismos e a assimetria cortical frontal da banda alfa sobre o score de ansiedade. Uma regressão múltipla foi realizada, e os resultados corroboraram com a análise da two-way mixed ANOVA. Os achados do estudo sugerem que não há evidências de relação entre os fenótipos comportamentais, polimorfismos genéticos e a ansiedade para essa população específica de indivíduos com traços mínimos de ansiedade, e, mesmo para os indivíduos que foram autorrelatados com traços de ansiedade moderada ou severa. Dessa forma, conclui-se que os resultados não confirmaram a hipótese inicial de que indivíduos portadores dos polimorfismos genéticos MAOA VNTR, COMT Val158Met e DRD2/ANKK1-Taq1A modulam os aspectos cognitivos e executivos e relacionam-se ao desenvolvimento de traços ansiogênicos. Acredita-se que, para trabalhos futuros, possa ser selecionada uma amostra considerável de participantes que apresentem traços de ansiedade moderada ou severa, a fim de investigarmos as possíveis alterações executivas e cognitivas, e relacioná-las aos polimorfismos genéticos em questão.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FRANCISCO ELEZIER XAVIER MAGALHÃES - UFPI
Interno - 1551921 - GIOVANNY REBOUCAS PINTO
Presidente - 2092495 - SILMAR SILVA TEIXEIRA
Interno - 1761994 - VICTOR HUGO DO VALE BASTOS
Notícia cadastrada em: 29/09/2021 14:21
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 25/09/2022 17:35