Notícias

Banca de DEFESA: JEAN CARLOS LEAL CARVALHO DE MELO FILHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JEAN CARLOS LEAL CARVALHO DE MELO FILHO
DATA: 27/05/2022
HORA: 14:00
LOCAL: meet.google.com/csd-ohbc-vie
TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE
PALAVRAS-CHAVES: QUALIDADE DE VIDA; CLIMATÉRIO; MENOPAUSA
PÁGINAS: 71
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
SUBÁREA: Saúde Materno-Infantil
RESUMO:

INTRODUÇÃO: As alterações hormonais que ocorrem no climatério são responsáveis por uma série de mudanças na fisiologia da mulher. Podendo implicar em comprometimento de diversos sistemas, como cardiovascular, cerebral, cutâneo, geniturinário, ósseo e sintomas vasomotores, além de mudanças do humor e apetite. A presença de sintomas climatéricos está fortemente associada à diminuição da qualidade de vida quando se utilizam instrumentos específicos de avaliação. OBJETIVO: Analisar os sintomasas e a qualidade de vida de mulheres no climatério atendidas na atenção básica de saúde. METODOLOGIA: Estudo analítico, com delineamento transversal e abordagem quantitativa, realizado em Unidade Básica de Saúde da zona rural do município de Buriti dos Montes-PI. A amostra foi baseada no número de mulheres cadastradas na UBS com idade de 40 a 65 anos. Foram excluídas no estudo mulheres ooforectomizadas ou em uso de Terapia de Reposição Hormonal. Para a coleta de dados foram utilizados dois questionários, um abordando a caracterização socioeconômica das participantes da pesquisa e o outro questionário abordando a qualidade de vida das mulheres no climatério (Women’s Health Questionnare). Os dados foram digitados e armazenados em uma planilha eletrônica no programa Excel (Office 2020) e depois exportados para o programa BioEstat 5.3. Os Dados contínuos foram expressos em média e desvio-padrão, e categóricos em porcentagem. A pesquisa foi aprovada pelo CEP-UFPI. RESULTADOS: A idade média das mulheres foi de 55 anos ( 14,14 – DP) a maioria casadas (72,7%), multíparas, se autodeclararam pardas (70,9%), sexualmente ativas (75,4%), com renda familiar inferior a 1 salário-mínimo), grande parte com sobrepeso (43,6%) e a maioria apresentava risco metabólicos (75,5%), A idade média da menopausa foi de 46,51 anos (± 4,74 – DP). A maioria das mulheres climatéricas fazia uso de alguma medicação, predominando os anti-hipertensivos (55,3%) e 56,4% não realizavam atividade. As queixas que mais afetaram as participantes foram dores nas costas e nos membros (média do score 0,78), fogachos (média do score 0,69) e suores noturnos (média do score 0,61). O domínio que mais comprometeu a qualidade de vida das mulheres no climatério foram os sintomas vasomotores (média 0,65). CONCLUSÃO: A qualidade de vida das mulheres no climatério é afetada pela síndrome do climatério, tendo maior impacto os sintomas vasomotores, os sintomas somáticos e a ansiedade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423584 - IONE MARIA RIBEIRO SOARES LOPES
Externo ao Programa - 1794482 - JUSSARA MARIA VALENTIM CAVALCANTE NUNES
Externo ao Programa - 423669 - MONICA FORTES NAPOLEAO DO REGO
Externo à Instituição - ANA LÍVIA CASTELO BRANCO DE OLIVEIRA - UESPI
Notícia cadastrada em: 18/05/2022 12:01
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 04/12/2022 03:23