Notícias

Banca de DEFESA: SARA FERREIRA COELHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SARA FERREIRA COELHO
DATA: 29/03/2021
HORA: 15:00
LOCAL: ON-LINE
TÍTULO: MORTALIDADE FEMININA POR AGRESSÃO NO MARANHÃO, 2000-2017
PALAVRAS-CHAVES: Mortalidade por agressão; Violência contra a mulher; Violência de gênero; Sistemas de informação em saúde.
PÁGINAS: 80
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:
Introdução: A morte feminina por agressão é a face mais perversa da violência contra a mulher, sendo um problema de saúde pública mundial. Objetivo: Analisar os casos de mortalidade feminina por agressão notificados no estado do Maranhão entre 2000 a 2017. Métodos: Trata-se de estudo ecológico, de série temporal, tendo como cenário o estado do Maranhão. Os dados são de origem secundária, obtidos do Sistema de Informação sobre Mortalidade. Foram avaliados todas as mortes femininas notificadas nos códigos X85-Y09 da Classificação Internacional de Doenças (versão 10), com análise de características das mulheres e dos óbitos. Realizou-se o cálculo dos coeficientes de mortalidade feminina por agressão por ano, no estado e nas cinco mesorregiões. Para análise da tendência dos coeficientes de mortalidade aplicou-se o modelo de regressão linear de Prais-Winsten, com cálculo da variação percentual anual (VPA) e seus intervalos de confiança a 95% (IC95%). Foram calculados coeficientes de correlação de Pearson (r) para avaliar a associação entre indicadores socioeconômicos, demográficos e de saúde e os coeficientes de mortalidade. Resultados: Houve notificação de 1.666 mortes femininas por agressão. Ocorreu elevação progressiva do coeficiente de mortalidade em todo o estado no período estudado. Predominaram os óbitos na faixa etária de 20-29 anos (30,7%), solteiras (62,8%), com quatro a sete anos de estudo (29,8%), pardas (70,6%) e tendo a residência como principal local da morte (32,7%). Entre 2000 e 2015 houve tendência de aumento do coeficiente de mortalidade no estado (VPA=+7,53;IC95% 5,24;9,86), com os maiores valores observados nas mesorregiões Sul (VPA=+12,36;IC95% 8,30;16,57) e Leste VPA=+11,07;IC95% 8,09;14,13). Observou-se correlação significativa com a proporção de famílias chefiadas por mulheres (r=0,643; p<0,001) e taxa de mortalidade masculina por agressão (r=0,634; p<0,001). Conclusões: Houve crescimento na mortalidade feminina por agressão no Maranhão, sendo mulheres jovens, pardas e de baixa escolaridade as principais vítimas.
 

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 662.467.844-53 - ALBERTO PEREIRA MADEIRO - UESPI
Interno - 287.434.743-49 - ANDREA CRONEMBERGER RUFINO - UESPI
Externo à Instituição - LUCIELMA SALMITO SOARES PINTO - UESPI
Interno - 1549654 - MALVINA THAIS PACHECO RODRIGUES
Notícia cadastrada em: 18/03/2021 20:21
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 26/09/2022 15:08