Notícias

Banca de DEFESA: LILIAN MELO DE MIRANDA FORTALEZA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LILIAN MELO DE MIRANDA FORTALEZA
DATA: 18/02/2016
HORA: 15:00
LOCAL: CCS/UFPI
TÍTULO:

Incidência e risco de near miss materno na região Nordeste do Brasil

 


PALAVRAS-CHAVES:

Mortalidade materna. Cesárea.Saúde materna.

 


PÁGINAS: 93
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
SUBÁREA: Saúde Pública
RESUMO:

INTRODUÇÃO: O near miss materno configura-se como indicador de saúde e o conhecimento dos seus fatores de risco contribui para a definição de estratégias e políticas de saúde que otimizem a qualidade da assistência à saúde prestada às mulheres no ciclo grávido-puerperal. OBJETIVO: Estimar a incidência e analisar o risco do near miss materno na região Nordeste do Brasil. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: Trata-se de estudo realizado com 6.096 puérperas admitidas em maternidades para realização do parto na Região Nordeste do Brasil, um recorte do inquérito Nascer no Brasil, de abrangência nacional. O desenho do estudo original incluiu a amostragem probabilística, em dois estágios, um correspondente aos estabelecimentos de saúde, e o segundo, às puérperas e seus conceptos. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista e consulta ao prontuário hospitalar, a partir de formulário eletrônico pré- testado. Os dados deste subprojeto foram analisados nos softwares SPSS versão 18.0 e R Project. Foi feita análise univariada por meio da estatística descritiva e cálculo da incidência para o conjunto de variáveis. Para medir o efeito das variáveis sobre a ocorrência de near miss materno utilizou-se o cálculo do risco relativo, haja vista ser um estudo de incidência, com intervalo de confiança de 95%. Na presente pesquisa para caracterizar os casos de near miss materno utilizou-se a classificação da OMS. RESULTADOS: As mulheres que desenvolveram near miss materno se caracterizaram por terem companheiro (78,6%), cor da pele não branca (63,6%), faixa etária de 20 a 24 anos (41,8%), ter ensino médio completo (52,2%), estarem fora do mercado de trabalho (73,6%) e não possuírem plano de saúde (89,1%). Quanto à gestação, a maioria das entrevistadas eram primigestas (74,1%) e tinham gestação de risco (54,7%). A assistência ao pré-natal foi praticamente universal (93,5%), com início no primeiro trimestre (87,2%), com seis ou mais consultas (66,5%) e com orientações quanto ao hospital para a realização do parto (62,4%). A incidência de near miss materno foi de 10,6 por mil nascidos vivos. Os critérios clínicos para a identificação do near miss materno foram os mais prevalentes (66,2%). O near miss materno teve risco significante entre mulheres com ausência de plano de saúde (RR=1,8; IC95% 1,2-6,3), primigestas (RR=2,0; IC95% 1,1-3,4), primíparas (RR=3,1; IC95% 1,3-6,8), com cesariana anterior (RR=6,3 IC95% 1,8-10,5), gestações de risco (RR=4,0; IC95% 2,2-7,3), internação durante a gestação (RR=2,8; IC95% 1,4-4,1), ausência do pré-natal (RR= 4,4; IC95% 1,1-2,9), atendimento em hospital diferente do indicado (RR= 1,7; IC95% 1,5-8,2), ocorrência do segundo atraso (RR=2,4; IC95% 1,1-3,4), uso de ambulância/viatura oficial como meio de transporte até o hospital para o parto (RR= 2,6; IC95% 1,2-3,5), parto cesariano (RR=6,9; IC95% 5,4-32,3) e ter feito o parto financiado pelo SUS (RR=8,9; IC95% 4,3-14,2). CONCLUSÃO: A incidência e fatores de risco encontrados para o near miss materno reforçam a necessidade da qualificação dos serviços de assistência ao pré-natal e ao parto prestados pelo Sistema Único de Saúde que potencialmente reduziria a mortalidade materna no Nordeste brasileiro. Para isso, deve se priorizar a qualificação dos serviços públicos de saúde, integração entre os cuidados de pré-natal e parto, redução no número de cesarianas, provimento de assistência adequada ao parto, no momento certo e no local adequado à gestante de risco, sem que para isso ela tenha que peregrinar.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANDREA CRONEMBERGER RUFINO - UESPI
Interno - 423584 - IONE MARIA RIBEIRO SOARES LOPES
Presidente - 1167593 - KEILA REJANE OLIVEIRA GOMES
Externo à Instituição - RAUIRYS ALENCAR DE OLIVEIRA - UESPI
Notícia cadastrada em: 02/02/2016 11:46
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 19/07/2024 11:54