Notícias

Banca de DEFESA: BRENO DE OLIVEIRA FERREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BRENO DE OLIVEIRA FERREIRA
DATA: 01/04/2016
HORA: 08:00
LOCAL: Sala do Conselho do CCS, no Centro de Ciências da Saúde, situado na Avenida Frei Serafim, nº 2280, T
TÍTULO:

Babado, confusão e gritaria”: vivências e reflexões da população LGBT no SUS


PALAVRAS-CHAVES:

Equidade em saúde; Sexualidades; Acesso aos Serviços de Saúde. 


PÁGINAS: 103
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

Considerando que a população LGBT enfrenta discriminação por conta da sua orientação sexual e/ou identidade de gênero, que reflete nos determinantes sociais de saúde, gerando processos de adoecimento e sofrimento próprios de estigmas associados, o acesso ao SUS e a qualidade da atenção integral à essa população tornam-se mais complexos e os colocam em situação de vulnerabilidade por conta das violências e preconceitos vivenciados nos diferentes serviços de saúde. Diante desse cenário, de maneira geral, o estudo busca analisar as percepções de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais acerca da atenção à saúde no SUS em Teresina, Piauí. De maneira específica, o presente trabalho busca elencar as principais barreiras e facilidades no acesso e compreender as dimensões da qualidade da atenção à saúde na perspectiva dos usuários LGBT. Para tanto, realizou-se uma pesquisa exploratória e descritiva de abordagem qualitativa, em que participaram 4 lésbicas, 4 gays, 6 travestis e 5 mulheres transexuais que residem em Teresina, e que de forma direta ou indireta acessam os serviços de saúde. Os sujeitos foram selecionados pela técnica metodológica Snowball, e a coleta dos dados se deu através de grupos focais. A Análise de Conteúdo de Bardin foi utilizada para análise, tratamento e interpretação dos fenômenos sociais. No grupo de lésbicas duas categorias foram identificadas: especificidades no atendimento ginecológico; e estratégias de acesso aos serviços de saúde. Com os gays, as categorias foram: o acolhimento do gay afeminado no SUS; e as relações de gênero e as masculinidades na saúde. Para as travestis: violência institucional e especialização do cuidado. Já no grupo de mulheres transexuais emergiram: estigma, preconceito e AIDS; e o uso do nome social nos serviços de saúde. Foram identificadas iniquidades diante as condições do acesso aos serviços de saúde pela população LGBT nas dimensões do acolhimento, da humanização e da qualidade dos serviços prestados. Ao fim, destaca-se a necessidade de mais integração entre os diversos segmentos e serviços de saúde, a fim de que a Política LGBT se torne instrumento efetivo de promoção de cidadania e direitos humanos, do contrário, corre-se o risco do rompimento cada vez maior com essa população.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ELAINE FERREIRA DO NASCIMENTO - FIOCRUZ
Presidente - 423005 - JOSE IVO DOS SANTOS PEDROSA
Externo ao Programa - 1792692 - LUIZ AYRTON SANTOS JUNIOR
Externo ao Programa - 1551620 - MARIA ZELIA DE ARAUJO MADEIRA
Notícia cadastrada em: 21/03/2016 13:03
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 15/07/2024 14:32