Notícias

Banca de DEFESA: THAYSE WILMA NOGUEIRA DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: THAYSE WILMA NOGUEIRA DE OLIVEIRA
DATA: 16/05/2023
HORA: 15:00
LOCAL: PLATAFORMA GOOGLE MEET
TÍTULO: Índice de qualidade nutricional (IQN) e sua relação com o câncer de mama em mulheres: um estudo de caso controle.
PALAVRAS-CHAVES: Consumo Alimentar. Estado Nutricional. Neoplasia mamária. Padrões Alimentares.
PÁGINAS: 106
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

RESUMO

A dieta desempenha papel crucial no câncer de mama, e a avaliação de sua qualidade tem permitido relacionar possíveis efeitos nutricionais nesta neoplasia. Para isto, têm sido propostos ferramentas como o Índice de Qualidade Nutricional (IQN), que fornece uma análise quantitativa e qualitativa da dieta. O objetivo deste trabalho foi analisar o IQN da dieta e sua relação com o câncer de mama em mulheres. Trata-se de estudo caso-controle, com 171 mulheres, entre 22 e 78 anos, atendidas em serviços especializados de Teresina, Piauí. A pesquisa foi aprovada pelo CEP da Universidade Federal do Piauí (resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde). As participantes recrutadas foram alocadas em dois grupos: Grupo CM (n=83), compreendido por mulheres com diagnóstico recente de câncer de mama; e Grupo SCM (n=88), composto por mulheres sem a doença. Foram coletadas variáveis sociodemográficas, fatores de risco para neoplasia mamária e informações acerca dos tumores. Realizou-se avaliação nutricional, com base nas medidas antropométricos: peso, altura, IMC, CP, CC, CQ e RCQ; de composição corporal: GC, GV e MLG; e ingestão alimentar, pelo QFA Semi-quantitativo - ELSA-Brasil, seguido de suas adequações, conforme as DRI/IOM. O IQN foi calculado para cada nutriente, utilizando a fórmula: quantidade do nutriente consumido por 1.000kcal/dia ÷ recomendação por 1.000kcal. A análise estatística foi realizada no software estatístico Stata para Windows®. Aplicou-se testes t, Qui-quadrado de Pearson/Exato de Fisher, com significância de p<0,05. Os Odds ratios e os intervalos de confiança (95%) foram calculados usando modelos de regressão logística, sem e com ajustes de variáveis. Foi evidenciado diferença entre os grupos quanto a idade (CM: 50,4±11,9 e SCM: 45,1±12,7anos, p=0,0057), mas não no status da menopausa (p=0,259). Mulheres CM apresentaram significativamente maiores médias de peso (68,4 vs. 64,8Kg, p=0,0515), CP (34,4 vs. 33,5cm, p=0,0140), CC (89,3 vs. 85cm, p=0,0171) e GV (8,6 vs. 7,6%, p=0,0179); alta GC (p=0,0515), baixa MLG (p=0,020) e risco cardiometabólico elevado (p=0,050). Entre os casos, houve predomínio do carcinoma ductal invasivo, moderadamente diferenciado, estágio II, RE+, RP+, HER2-, alto índice Ki67 e subtipo Luminal B. O IQN mostrou que mulheres CM consumiram mais proteína (2,6±1,32 vs. 2,0±1,0, p=0,0009), cálcio (2,36±1,55 vs. 1,61±1,24, p=0,0006), fósforo (5,33±3,13 vs. 3,73±2,56, p=0,0003), potássio (0,99±0,48 vs. 0,73±0,36, p=0,0001), riboflavina (2,85±1,74 vs. 2,05±1,35, p=0,0009), zinco (1,80±0,98 vs. 1,38±0,75, p=0,0020), vitamina D (2,94±2,34 vs. 2,0±177, p=0,0032) e magnésio (1,22±0,59 vs. 0,95±0,44, p=0,0007), refletindo o resultado de sua ingestão habitual. Apenas o IQN do ferro foi significativamente mais elevado nas mulheres CM (p=0,0046), mas não na ingestão habitual (p=0,9488). Análise de regressão logística, sem e com ajustes, mostrou associação positiva entre os índices de proteína (OR=1,57;1,18-2,08), cálcio (OR=1,47;1,16-1,85), fósforo (OR=1,22;1,09

tratamento e controle destas (VAHID et al., 2018a; JAFARI-VAYGHAN et al.; 2015; JAFARI-VAYGHAN et al., 2023).

Para esta análise, têm sido propostos diversos índices dietéticos a fim de examinar a conformidade da dieta com padrões alimentares saudáveis e sua qualidade geral (ERGAS et al., 2021). Estes índices equivalem a ferramentas simples que medem a adesão às recomendações dietéticas, número de porções consumidas de cada grupo de alimentos (leite e substitutos, carnes, cereais, frutas e hortaliças), quantidade de diferentes gêneros alimentícios presentes na dieta, até índices complexos que requerem análises robustas da ingestão de macronutrientes e micronutrientes (VOLP et al., 2010; ALKERWI, 2014).

Um dos métodos simples utilizados é o Índice de Qualidade Nutricional (ou IQN), que possui aplicações importantes na avaliação clínica de problemas nutricionais, mediante análise quantitativa e qualitativa de alimentos, refeições e dietas individuais. Sua determinação se dá através da razão entre a ingestão de referência de cada nutriente e sua recomendação, ajustada para caloria fornecida (VAHID et al., 2018a; VAHID et al., 2018b; VAHID et al., 2018c; SHAYANFARA et al., 2018).

Neste sentido, se faz necessário investigar a relação entre qualidade da dieta e câncer de mama, utilizando ferramentas práticas e acessíveis, a fim de permitir uma visão ampla da dieta e assim propor intervenções eficazes que auxiliem na prevenção e controle da doença. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi analisar o Índice de qualidade nutricional da dieta e sua relação com o câncer de mama em mulheres assistidas em serviços especializados.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1794569 - ADRIANA DE AZEVEDO PAIVA
Externo à Instituição - CARLA SORAYA COSTA MAIA - UECE
Presidente - 423490 - NADIR DO NASCIMENTO NOGUEIRA
Externo ao Programa - 1421291 - POLIANA CRISTINA DE ALMEIDA FONSECA
Notícia cadastrada em: 28/04/2023 10:22
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 19/07/2024 13:03