Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: DAVID RUFINO FERREIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DAVID RUFINO FERREIRA
DATA: 12/06/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 811/CMRV
TÍTULO: AVALIAÇÃO FITOQUIMICA, ANTIMICROBIANA DE EXTRATOS DE ALGAS MARINHAS DO LITORAL PIAUIENSE
PALAVRAS-CHAVES: Extratos de algas; fitoquimica; atividade antifúngica; atividade antibacteriana.
PÁGINAS: 32
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

O ambiente marinho se destaca pela diversidade de compostos valiosos obtidos de algas tanto na escala macro como micro que podem ser aproveitados em diversas áreas, por viverem nesse ambiente e por serem conhecidas por suas propriedades benéficas a saúde, as algas são fonte constante de estudos para aproveitamento de seus metabolitos secundários, que são oriundos principalmente de mecanismos de defesa e adaptações a condições abióticas. Doenças causadas por bactérias e fungos são uma preocupação mundial devido os constantes casos documentados de resistência aos agentes antimicrobianos empregados no seu combate, sendo assim o objetivo desse trabalho foi o de realizar uma investigação  fitoquimica e avaliar atividade de extratos de algas marinhas do litoral piauiense quanto a seu potencial antibacteriano e antifúngico, utilizando cromatografia liquida de alta eficiência (CLAE), ensaio de micro diluição em caldo (MIC) utilizando meio RPMI 1640 e halo de inibição em poços perfurados em ágar. Foram produzidos extratos Hidro-alcoólicos, Hexânicos e Aquosos dos seguintes organismos avaliados nesse estudo: Padina gymnospora, Jania adhaerens, Hypnea pseudomusciforms, Tricleocarpa fragilis, Codium isthmocladum e Cryptonemia Crenulata. Dentre as algas testadas a fração hidro alcoólica da alga vermelha hypnea pseudomusciforms apresentou a menor concentração inibitória mínima para Candida kruzei (9,76 µg/ml) dentre os extratos testados, porém nenhuma atividade para Cryptococus neoformams (ATCC48184) e Aspergillus fumigatus (USP2) foi observada. A fração hidro alcoólica de Jania adhaerens testada contra Candida kruzei apresentou valor de MIC=39,06 µg/ml, já a fração hexânica da mesma alga apresentou certa inibição, porém com um pior desempenho (MIC=1250 µg/ml), nenhuma atividade foi observada para as duas frações com os demais fungos. Para o teste de halo de inibição para Staphylococcus epidermidis e Escherichia coli nenhuma fração das algas utilizadas no teste apresentou qualquer atividade. Baseado no que foi observado os extratos hidro alcoólicos das algas hypnea pseudomusciforms e Jania adhaerens apresentaram um bom desempenho no ensaio antifúngico o que pode encorajar estudos mais aprofundados dessas espécies de algas para a busca de componentes terapêuticos para doenças infecciosas.

 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1789383 - JEFFERSON SOARES DE OLIVEIRA
Presidente - 841.003.203-10 - LEIZ MARIA COSTA VERAS - UFPI
Externo ao Programa - 2147346 - TATIANE CAROLINE DABOIT
Notícia cadastrada em: 06/06/2017 11:05
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 06/12/2022 04:05