Notícias

Banca de DEFESA: VIVIANE PINHEIRO ALVES DE ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VIVIANE PINHEIRO ALVES DE ALMEIDA
DATA: 06/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de Aula do Mestrado
TÍTULO: EPIISOPILOTURINA ATENUA OS EFEITOS PRÓ INFLAMATÓRIOS DA COLITE EXPERIMENTAL ATRAVÉS DO RECEPTOR M1
PALAVRAS-CHAVES: doenças inflamatórias intestinais, via colinérgica, epiisopiloturina;
PÁGINAS: 97
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

Introdução: A colite ulcerativa é uma doença crônica que acomete o cólon e o reto, caracterizada por ulcerações da mucosa e submucosa do cólon sem afetar as camadas mais profundas da parede intestinal. Atualmente, as terapias convencionais utilizadas no tratamento da colite ulcerativa apresentam como objetivo o controle da inflamação, o alívio da dor abdominal e a manutenção da remissão da doença. No entanto, estas terapias estão associadas com uma variedade de efeitos colaterais que dificultam o seu uso. Uma alternativa é a utilização de compostos naturais com propriedades promissoras para o tratamento dessa patologia. Um dos principais alcaloides extraídos do jaborandi é a epiisopiloturina, que possui estrutura química similar a pilocarpina, e tem demostrado ser um alcalóide promissor quanto aos seus efeitos anti-inflamatórios demostrados em estudos anteriores, sendo importante estudar por qual via esse efeito acontece. Objetivo: O presente trabalho tem como obetivo avaliar a participação do receptor muscarínico M1 na resposta anti-inflamatória da epiisopiloturina 17 horas após a indução da colite induzida por ácido acético. Métodos: Foi realizado inicialmente um estudo de docagem molecular da epiisopiloturona com o receptor muscarínico M1. A atividade anti-inflamatória da Epiisopiloturina no curso da colite induzida por ácido acético foi avaliado administrando-se a substância nas doses de 0,01; 0,1 e 1,0 mg/kg via intraperitoneal. Para analisar a participação do sistema colinérgico, mas especificamente do receptor muscarínico M1 no mecanismo de ação anti-inflamatória da epiisopiloturina na colite por ácido acético sua ação foi bloqueada usando pirenzepina (antagonista do receptor M1). Foram avaliados os escores macroscópicos e microscópicos, os parâmetros bioquímicos da lesão (dosagem de MPO, MDA, GSH, NO2/NO3), bem como a mensuração de citocinas e a imunoexpressão por western blot. Resultados e discussão: No estudo inicial de docagem molecular a epiisopiloturina demonstrou afinidade de ligação com o receptor muscarínico M1. A epiisopiloturina na dose de 0,1mg/kg demostrou um melhor efeito anti-inflamatório ao diminuir parâmetros inflamatórios, no curso da colite induzuda por ácido acético. Já os grupos de animais tratados simultaneamente com a epiisopiloturina na dose de 0,1 mg/kg e cotratados com o antagonista colinergico pirenzempina, apresentaram uma redução dos efeitos anti-inflamatórios da epiisopiloturina, demostrando assim o bloqueio da ação da mesma pela pirenzempina. Conclusão: Através dos resultados obtidos, o presente trabalho infere que a epiisopiloturina tem sua ação anti-inflamatória através do receptor muscarínico M1, visto que o bloqueio do receptor com o antagonista farmacológico reduziu os efeitos anti-inflamatórios da droga no curso da colite experimental, apontando que a molécula é uma alternativa promissora para o tratamento da colite ulcerativa.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1690196 - ANDRE LUIZ DOS REIS BARBOSA
Interno - 841.003.203-10 - LEIZ MARIA COSTA VERAS - UFPI
Externo à Instituição - PAULINE SOUSA DOS SANTOS - NASSAU
Notícia cadastrada em: 27/01/2020 10:45
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 30/11/2022 20:30