Notícias

Banca de DEFESA: RUTH RAQUEL SOARES DE FARIAS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RUTH RAQUEL SOARES DE FARIAS
DATA: 10/03/2016
HORA: 14:30
LOCAL: NUPCelt/UFPI/Teresina
TÍTULO:

Estudo Fitogeográfico e químico-farmacológico de Três Espécies da Família Combretaceae (Combretum duarteanum Cambess., C. mellifluum Eichler. e Terminalia actinophylla Mart): uma análise comparativa nos Cerrados Setentrional e Meridional do Estado do Piauí.


PALAVRAS-CHAVES:

Quimiodiversidade, Cerrados do Nordeste, Atividades Biológicas


PÁGINAS: 156
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
SUBÁREA: Química Orgânica
ESPECIALIDADE: Química dos Produtos Naturais
RESUMO:

As espécies de Combretaceae são de relevante interesse devido ao histórico de potencialidades farmacológicas, já conhecido, em especial dos gêneros Combretum Loeft. e Terminalia L. O presente trabalho teve como objetivo investigar a quimiodiversidade e o possível potencial biológico dos extratos das folhas de Combretum duarteanum Cambess, C. mellifluum Eichler e Terminalia actinophylla Mart. coletadas nos Cerrados Setentrional e Meridional do estado do Piauí. Foi analisado o número de registros de depósitos de pedidos de patentes por meio de bancos de inovação e tecnologia nacionais e internacionais e o perfil de produção científica disponível na área de química e farmacologia para as espécies C. duarteanum e C. mellifluum, sendo evidenciado a carência de estudos com as espécies. Foi também desenvolvido um trabalho com os aspectos morfológicos e a distribuição geográfica das espécies, resultando na construção de chave analítica, descrições da família e dos gêneros, interpretação fitossociológica, elaboração do mapa de distribuição das espécies e apresentação de um glossário dirigido. Para realização dos testes de atividades biológicas e obtenção dos perfis cromatográficos, extratos hexânico, etanólico e aquoso das folhas das três espécies das duas regiões de cerrado foram preparados. A atividade antioxidante foi avaliada pelos ensaios dos radicais 2,2-difenil-1-picrilhidrazila (DPPH), hidroxila e óxido nítrico, substâncias reagentes ao ácido tiobarbitúrico (TBARS) e redução do Fe3+ à Fe2+. A determinação do teor de fenóis e flavonoides totais foi realizada pelo método de Folin-Ciocalteu e por redução com cloreto de alumínio, respectivamente. A atividade anticolinesterásica foi pelo método de Ellman e a citotoxicidade pelo método MTT (brometo de 3-(4,5dimetildiazol-2-il)-2,5 difeniltretrazolium), frente as linhagens de células tumorais humanas: cólon, ovário e glioblastoma. O fator de proteção solar (FPS) foi realizado com T. actinophylla por método espectrofotométrico, na faixa de 260 a 400 nm. O extrato aquoso de C. duarteanum do Cerrado Setentrional mostrou boa atividade antioxidante frente ao radical oxido nítrico (1,94 µg/mL) e na redução do Fe3+ à Fe2+ (1,50 µg/mL). O extrato aquoso de C. mellifluum do Cerrado Setentrional apresentou alta atividade antioxidante na redução dos radicais oxido nítrico (0,47 µg/mL) e hidroxila (0,76 µg/mL) e o etanólico apresentou atividade antioxidante no ensaio de redução do radical hidroxila igual ao padrão trolox. Os extratos etanólicos e aquosos de T. actinophylla das duas áreas demonstraram forte atividade antioxidante, sendo maior que o controle positivo em pelo menos dois ensaios. Os maiores FPS foram dos extratos etanólico (Setentrional, 15,1) e aquoso (Meridional, 15,0). Os extratos etanólico e aquoso de C. duarteanum do Cerrado Setentrional e etanólico do Meridional apresentaram citotoxicidade. O extrato etanólico de C. mellifluum do Cerrado Setentrional foi fortemente ativo frente as linhagens testadas. T. actinophylla se destaca pelo alto teor de fenois e flavonóides totais. Todos os extratos apresentaram atividade anticolinesterásica, execeto o etanólico de C. duarteanum (Meridional), os aquosos de C. mellifluum e todos de T. actinophylla (Setentrional). Os testes realizados demonstraram que há uma diferença no potencial químico e biológico dos espécimes das três espécies, sugerindo que as relações ecológicas devem ser levadas em consideração em estudos químicos e farmacológicos.

 


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1167257 - ANTONIA MARIA DAS GRACAS LOPES CITO
Externo ao Programa - 1888044 - GERARDO MAGELA VIEIRA JUNIOR
Externo ao Programa - 2055638 - JESSICA PEREIRA COSTA
Presidente - 1167592 - MARIANA HELENA CHAVES
Interno - 423551 - RITA DE CASSIA MENESES OLIVEIRA
Notícia cadastrada em: 26/02/2016 14:24
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 21:26