Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: YULLA KLINGER PEREIRA DE CARVALHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: YULLA KLINGER PEREIRA DE CARVALHO
DATA: 13/12/2016
HORA: 09:30
LOCAL: NUPCelt/UFPI/Teresina
TÍTULO: Desenvolvimento de um produto biotecnológico à base de goma do cajueiro (A. occidentale L.) e quitosana como suporte para cultivo de células-tronco mesenquimais
PALAVRAS-CHAVES: Goma de cajueiro (Anacardium occidentale L.). Quitosana. Scaffold. Células-tronco mesenquimais
PÁGINAS: 74
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Biomedicina
RESUMO:

A área de engenharia de tecidos envolve o uso de materiais biocompatíveis e biodegradáveis que atuam como matrizes utilizadas para o crescimento celular, chamadas de scaffolds. Estas matrizes promovem a adesão, crescimento e diferenciação celular com o propósito de construir um tecido in vitro. A utilização de polímeros naturais na produção de scaffolds tem se mostrado promissora, uma vez que apresentam menor risco de rejeição quando implantados in vivo, além de apresentarem adesão celular mais eficiente quando comparados à materiais sintéticos. Desta forma, esta pesquisa objetivou desenvolver um scaffold utilizando como matérias-primas a quitosana e a goma de cajueiro (Anacardium occidentale L.) modificada com anidrido ftalico 1:2 20ʹ (GCAF), e testá-lo in vitro em cultura de células-tronco mesenquimais da polpa dentária humana (CTMPDh). As CTMPDh foram isoladas, expandidas e caracterizadas quanto ao potencial de diferenciação nas linhagens mesenquimais e quanto ao perfil imunofenotípico para serem utilizadas nos testes in vitro. O scaffold foi fabricado utilizando como matérias-primas a quitosana e a GCAF em iguais proporções e utilizando a técnica de congelamento/liofilização. As CTMPDh foram cultivadas nos scaffolds durante 7 dias. Para avaliação da adesão e crescimento celular, os scaffolds foram avaliados através de técnicas histológicas e microscopia eletrônica de varredura. Para avaliar o potencial de citotoxicidade foram realizados os testes de MTT e atividade hemolítica do scaffold e das soluções de quitosana e GCAF separadamente. Para avaliação da atividade imunomoduladora, foram realizados os testes de atividade fagocítica e óxido nítrico do scaffold e da solução da GCAF em diferentes concentrações. As CTMPDh isoladas apresentaram morfologia fibroblastóide, capacidade de aderência ao plástico, diferenciação nas linhagens osteogênica, adipogênica e condrogênica, e expressão positiva para os marcadores de superfície CD105 e negativa para CD14 e CD45 identificadas através da técnica de citometria de fluxo. As CTMPDh semeadas sobre o scaffold fabricado apresentaram morfologia típica, fixação e distribuição adequada pelo interior dos poros da matriz, analisadas por técnicas histológicas e de microscopia de varredura. A citotoxicidade da GCAF pelo método de MTT e hemolítico apresentaram CC50 e CH50 superiores a 1000 µg/ml-1. A avaliação da capacidade fagocítica sobre o scaffold fabricado, demonstrou uma ativação das células superior a todas as concentrações da goma testada, demonstrando que a matriz fabricada apresenta potencial de biodegradabilidade. Houve um leve aumento na síntese do óxido nítrico até a concentração de 400 µg/ml-1 da GCAF. O teste de MTT realizado com scaffold sobre as CTMPDh após 24 e 48h, demonstrou uma viabilidade reduzida das células provavelmente em virtude da migração das mesmas para o interior dos poros do scaffold desenvolvido. A utilização de scaffolds fabricados GCAF e quitosana apresenta aplicabilidade para cultivo celular in vitro funcionando como uma matriz de suporte para o crescimento destas células, surgindo como um importante biomaterial a ser utilizado em aplicações cirúrgicas como suporte e meio de transporte de células em processos de regeneração tecidual. 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2549060 - CARLA EIRAS
Externo ao Programa - 1691866 - NAPOLEAO MARTINS ARGOLO NETO
Interno - 1638239 - PAULO MICHEL PINHEIRO FERREIRA
Notícia cadastrada em: 16/11/2016 11:04
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 06:21