Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JOILANE ALVES PEREIRA FREIRE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOILANE ALVES PEREIRA FREIRE
DATA: 06/02/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Núcleo de Tecnologia Farmacêutica - NTF
TÍTULO: Caracterização nutricional, potencial quimiopreventivo e toxicidade de Mauritia flexuosa (buriti): incentivo à biotecnologia sustentável e bioprospecção de frutos regionais
PALAVRAS-CHAVES: Antioxidantes naturais. Fitoquímicos. Nutracêuticos. Buriti. Toxicidade
PÁGINAS: 232
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Nutrição
RESUMO:

Mauritia flexuosa (Aricaceae) é popularmente conhecida como buriti, utilizada na medicina popular para o tratamento de doenças, como problemas dermatológicos, cicatrização de feridas e inflamação, e como alimento, é bastante a procura pelo doce feito a partir da polpa nas regiões de cultivo. O objetivo do presente estudo foi realizar a caracterização nutricional, o potencial quimiopreventivo de Bioprodutos de burit (polpa, casca e endocarpo em pó), além da toxicidade em camundongos fêmeas tratados com extratos aquosos dessdes bioprodutos para contribuir com o desenvolvimento de fitomedicamentos e novos produtos alimentícios. Para tanto, uma prospecção científica e tecnológica foi realizada em bases de dados. Na caracterização nutricional, foi realizado estudo físico-químio de pH, acidez e Brixº, seguido por análise quali e quantitativa de fibras solúveis e insolúveis, bem como perfil de minerais e ácidos graxos das 3 amostras em estudo. Para avaliação do potencial quimiopreventivo, realizou-se o estudo quantitativo dos compostos bioativos existentes, bem como a triagem qualitativa por HPLC-DAD, foi realizado um estudo da atividade antioxidante das amostras e caracterização da bioacessibilidade de fenóis totais in vitro, demonstrando promissores resultados. No estudo toxicológico em dose única, os camundongos (n = 3/dose e amostra) foram tratados por via oral (v.o.) com extratos aquosos de polpa, casca e endocarpo de buriti nas doses de 300 e 2000 mg/kg. Durante 14 dias após o tratamento foram observados a toxicidade geral, taxa de letalidade, evolução do peso corporal, consumo de água e alimentos. Após este período, os animais foram anestesiados com solução de xilazina-cetamina 0,2 mL/100 g (8,75mL de cetamina (100 mg/mL) e 1,25 mL de xilazina (100mg/mL)), para coleta de sangue para análises hematológicas e bioquímicas, bem como dissecação dos principais órgãos (fígado, coração, rins, pulmão, baço, estômago e cérebro) para estudo morfológico e macroscópico. Também foi avaliada a atividade locomotora e coordenação motora dos animais tratados com os extratos aquosos de buriti nos testes do campo aberto e da barra giratória, respectivamente. Já no estudo com administração em doses repetidas os camundongos foram tratados com doses de 300 e 600 mg/kg durante 28 doses consecutivas (n = 7/dose e amostra ). Nessas doses, foi avaliado possível efeito genotóxico dessas sunstãncias. Durante o tratamento em dose única e repetidas não foram evidenciados nenhum sinal de toxicidade durante o período de observação, de modo que não foi possível determinar a Dose Letal 50%. Entretanto, como os animais foram tratados com doses até a 2000 mg/kg e não foi registrada nenhuma morte durante o período de observação é possível sugerir que os extratos aquosos de polpa, casca e endocarpo de buriti, apresentam perigo relativamente baixo de toxicidade aguda sendo classificada na categoria 5 segundo The Organisation of Economic Cooperation Development. Com relação aos parâmetros fisiológicos, bioquímicos e hematológicos não foram observadas alterações e nem efeitos sobre a atividade locomotora e coordenação motora entre animais após tratamento com os extratos do fruto, nos diferentes protocolos. Além disto, não foi visto mudanças quanto aos aspectos macroscópicos e ainda será avaliado os dados morfológicos dos principais órgãos. Os resultados sugerem que polpa, casca e endocarpo de buriti liofilizados (em pó) são potenciais alimentos com atividade antioxidante, bioacessíveis e que podem ser seguros em ensaios pré-clínicos, bem com demonstraram potencial farmacológico relacionado ao metabolismo lipídico e glicídico, que precisam ser melhores explorados para esclarecer seu mecanismo de ação e relevância clínica, conforme demonstrado neste estudo. Como forma de contribuir para o desenvolvimento tecnológico desses bioprodutos foi solicitado um pedido de depósito de registro de patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Os resultados do presente estudo ampliam as perspectivas para a realização de outros testes que possam corroborar com o uso seguro e eficaz de frutos de forma integral (polpa, casca e endocarpo), como produto de importância biotecnológica.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2617696 - ALDEIDIA PEREIRA DE OLIVEIRA
Externo ao Programa - 2950101 - FRANCISCO LEONARDO TORRES LEAL
Externo à Instituição - JOAQUIM SOARES DA COSTA JUNIOR - IFPI
Notícia cadastrada em: 03/01/2017 11:08
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 25/09/2022 08:32