Notícias

Banca de DEFESA: LUIZANGELA DA SILVA REIS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUIZANGELA DA SILVA REIS
DATA: 08/03/2017
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do Programa de Pós-Graduação em Ciência dos Materiais-CT/UFPI
TÍTULO: ESTUDO DA ATIVIDADE ANTIBACTERIANA DA QUITOSANA E DERIVADOS ASSOCIADOS COM CEFTAZIDIMA
PALAVRAS-CHAVES: quitosana, base de Schiff, atividade antibacteriana, ceftazidima.
PÁGINAS: 95
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
SUBÁREA: Química Inorgânica
ESPECIALIDADE: Físico Química Inorgânica
RESUMO:

A elevada prevalência de infecções causadas por bactérias resistentes aos antibióticos tem estimulado o desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas. Materiais poliméricos vêm despertando o interesse de muitos pesquisadores devido ao seu grande campo de aplicações. A quitosana é um polímero natural, obtido a partir da reação de desacetilação da quitina, por apresentar propriedades inerentes vêm se manifestando como uma nova classe de materiais com funções fisiológicas altamente aprimoradas. Modificações na cadeia da quitosana são feitas a fim de melhorar ou conferir novas propriedades para quitosana. Este trabalho teve como objetivo a obtenção de derivados de quitosana com base de Schiff, bem como a avaliar da atividade antibacteriana da quitosana e dos derivados associados com ceftazidima. A identidade da base de Schiff formada e os derivado associado com fármaco foram caracterizados por FTIR, RMN 13 C, DRX, TG e análise elementar. Os resultados de FTIR e RMN 13 C, DRX e da TG mostraram a eficácia das modificações e interação entre a quitosana e os derivados com ceftazidima (CFZ) e que os grupos incorporados na estrutura da quitosana provocaram mudanças na cristalinidade dos materiais quando comparada com a quitosana. Atividade antibacteriana da quitosana e dos derivados associados com ceftazidima foram testadas contra cepas de Staphylococcus aureus 25 923 e Escherichia coli 25 922. A modificação da quitosana (Q) com acetilacetona (Q ac ) provocou uma redução na atividade antibacteriana contra S. aureus e um aumentou contra E. coli. Modificações subsequentes da Q ac com etilenodiamina (Q acen ) e dietilenotriamina (Q acdien ) melhoraram a atividade antibacteriana dos derivados para ambas as cepas indicando um amplo espectro de ação destes novos materiais inibindo tanto bactérias Gram-positivas quanto Gram-negativas. Os materiais associados com fármaco Q acenCFZ , Q acdienCFZ , Q acCFZ e Q CFZ mostraram que um maior tempo de contado dos materiais em solução potencializaram a ação bacteriana dos materiais obtidos, devido incorporação do fármaco. Os resultados podem revelar-se como uma promissora alternativa do uso dos derivados de quitosana com base de Schiff e dele associado com fármaco sugerindo que os mesmos poderiam ter uma ampla aplicabilidade no desenvolvimento de novos materiais visando o controle de microrganismos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CLEIDE MARIA DA SILVA LEITE - UNILAB
Presidente - 1553988 - EDSON CAVALCANTI DA SILVA FILHO
Externo ao Programa - 1313503 - HUMBERTO MEDEIROS BARRETO
Interno - 1512631 - LIVIO CESAR CUNHA NUNES
Externo ao Programa - 2337411 - RAFAELA LUIZ PEREIRA SANTOS
Notícia cadastrada em: 07/03/2017 09:16
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 25/09/2022 08:40