Notícias

Banca de DEFESA: MARCELLO DE ALENCAR SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARCELLO DE ALENCAR SILVA
DATA: 26/09/2017
HORA: 14:00
LOCAL: NUPCelt/CCA/UFPI
TÍTULO: CÉLULAS-TRONCO MESENQUIMAIS ASSOCIADAS À MEMBRANA CELULÓSICA BACTERIANA: ENSAIO PRÉ-CLÍNICO NA REPARAÇÃO DE RUPTURA DE TENDÃO CALCÂNEO EM COELHOS
PALAVRAS-CHAVES: células-tronco mesenquimais, engenharia tecidual, celulose.
PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

Os avanços na medicina regenerativa estão reconfigurando-se por meio da utilização de biomateriais e associações entre matrizes celulares e outros componentes capazes de acelerar o processo reparativo de forma a proporcionar integridade ao tecido lesionado. Atualmente, é intensa a atuação de pesquisadores na busca de um biomaterial que ofereça condições de biocompatibilidade, integrabilidade e capaz de manter as propriedades do tecido a ser reparado. Neste sentido, o objetivo desta pesquisa foi caracterizar e avaliar in vitro o comportamento das células-tronco mesenquimais de medula óssea (CTMMO) de coelhos, quando associada a membrana celulósica bacteriana (MCB) e o seu potencial de reparação da ruptura parcial do tendão calcâneo. Os cuidados com os animais e os procedimentos experimentais foram aprovados pelo Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA-UFPI, parecer 143/16). Foram coletadas amostras de medula óssea de um coelho, isoladas células-tronco mesenquimais, para os ensaios de unidade formadora de colônia fibroblastóide (UFC-F). Foram realizados estudos referentes à indução da diferenciação celular osteogênica e condrogênica, integração celular à MCB por meio da microscopia eletrônica de varredura (MEV) no intervalo de tempo 1, 7 e 14 dias, além de ensaios de citotoxicidade (indução de NO), toxicidade (MTT) desta membrana e atividade fagocítica. Para o ensaio pré clinico da falha tendínea, foram utilizados 12 coelhos, distribuídos em dois grupos de 6 (G1 e G2), nos quais os tendões calcâneos dos membros posteriores foram lesionados parcialmente. No grupo (G1) o membro posterior direito de cada animal correspondeu ao controle (C) e o membro posterior esquerdo ao tratamento 1 (T1), que compreendeu ao enxerto da membrana celulósica bacteriana envolta do tendão calcâneo pós indução da lesão. Nos animais do G2, o membro posterior direito, tratamento 2 (T2), representado pela infusão de CTMMO na região da falha tendínea induzida, e no membro posterior esquerdo o tratamento 3 (T3), que constou de enxerto de MCB associada a CTMMO. Verificou-se no ensaio de UFC-F células com morfologia fibroblastóide organizadas em colônias distribuídas pela área de superfície da cultura. Na curva de crescimento celular foram observadas duas fases (lag e log) no decorrer de 15 dias. A multipotencialidade das células foi verificada a indução das linhagens osteogênica e condrogênica. Foi evidenciada a biointegração das CTMMO à MCB. No ensaio de atividade fagocítica não houve ativação significativa de macrófagos nem incremento na síntese de óxido nítrico. Na análise com MTT a MCB não apresentou efeito citotóxico. O rastreamento das CTMMO por meio da marcação com Qtraker mostrou as células em atividade nos sítios de lesão tendínea. No estudo histopatológico a terapia realizada no grupo T2 e T3 se sobressaíram aos resultados dos grupos controle (C) e tratamento T1. O grupo T3, evidenciou melhor organização das fibras colágenas recém formadas e preenchendo a falha tendínea quando comparado ao grupo T2. Pode-se concluir que a associação entre a membrana celulósica bacteriana e CTMMO de coelhos possui grande potencial biointegrativo, manutenção do seu perfil de baixa imunogenicidade e capacidade reparativa com melhor organização das fibras colágenas recém formadas.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2549060 - CARLA EIRAS
Externo ao Programa - 1654493 - MARCIA DOS SANTOS RIZZO
Presidente - 422578 - MARIA ACELINA MARTINS DE CARVALHO
Externo à Instituição - MATHEUS LEVI TAJRA FEITOSA - UEMA
Externo ao Programa - 1691866 - NAPOLEAO MARTINS ARGOLO NETO
Notícia cadastrada em: 05/09/2017 11:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 30/09/2022 10:52