Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ALYNE RODRIGUES DE ARAUJO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALYNE RODRIGUES DE ARAUJO
DATA: 22/03/2018
HORA: 15:00
LOCAL: Na sala de Reunião da Universidade Federal do Piauí, Parnaíba/PI -UFPI
TÍTULO: ISOLAMENTO, CARACTERIZAÇÃO E APLICAÇÃO BIOTECNOLÓGICA DOS CONSTITUINTES MAJORITÁRIOS DA FRAÇÃO AQUOSA DO EXTRATO ETANÓLICO DE Terminalia fagifolia Mart.
PALAVRAS-CHAVES: Terminalia sp.; nanotecnologia; antioxidante; antibacteriano; antifúngico.
PÁGINAS: 74
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Biomedicina
RESUMO:

Plantas nativas, como os membros da família Combretaceae, são muito utilizadas pela população para fins medicinais. Essa família compreende plantas ricas em metabólitos secundários, distribuídas, principalmente, entre os trópicos. O gênero Terminalia sp., pertencente à família Combretaceae, se destaca por possuir cerca de 200 espécies, dentre elas, a espécie Terminalia fagifolia Mart., presente no cerrado brasileiro, que se destaca pelo seu uso etnofarmacológico. Em estudos anteriores, a fração aquosa do extrato etanólico de T. fagifolia apresentou bons resultados em relação à atividade antibacteriana, antibiofilme e citotóxica, sendo a fração mais ativa contra bactérias patogênicas. Dessa forma, o isolamento e identificação dos constituintes presentes nos derivados de T. fagifolia se torna importante para a padronização dos efeitos observados, e por ser uma possível fonte de identificação de novas moléculas. Além disso, também se torna interessante o aproveitamento dos extratos e frações de T. fagifolia para aplicações biotecnológicas, especificamente, no campo da nanotecnologia, tendo em vista a riqueza de metabólitos secundários que a espécie produz. Portanto, o objetivo desse estudo foi isolar, caracterizar e avaliar a atividade antibacteriana dos constituintes majoritários da fração aquosa do extrato etanólico de T. fagifolia, bem como utilizar os derivados dessa espécie para síntese de nanopartículas de prata bioativas. A técnica de Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE) foi utilizada para purificação dos constituintes majoritários, e a Cromatografia Líquida acoplada a Espectrometria de Massa (CLEM) foi utilizada para análise do peso molecular dos constituintes isolados. A atividade antibacteriana dos isolados foi testada de acordo com as normas preconizadas pela CLSI (2012) pelo método de microdiluição em caldo, contra Staphylococcus aureus, Staphylococcus epidermidis e Escherichia coli. Como aplicação biotecnológica, os extratos (hidroalcoólico e etanólico) e as frações (aquosa e hidroalcoólica) de T. fagifolia foram utilizados para síntese verde de nanopartículas de prata (AgNPs), que foram caracterizadas por espectroscopia de UVvis, FTIR, NTA, MET/EDS e Voltametria cíclica. Uma vez caracterizadas, as AgNPs foram testadas quanto a sua atividade antioxidante (DPPH, ABTS e FRAP), com determinação de fenólicos e flavonoides totais, além da sua atividade antibacteriana contra bactérias Gramnegativas e Gram-positivas e sua atividade antifúngica contra leveduras e dermatófitos. O teste de hemólise foi realizado para verificar a biocompatibilidade das AgNPs. Apesar de não serem definitivas, as análises por CLAE e CL-EM sugerem que as moléculas isoladas pertencem à classe dos flavonoides e possuem estruturas parecidas entre si. Os dois constituintes majoritários isolados apresentaram atividade antibacteriana contra S. aureus e S. epidermidis, no entanto a fração foi mais ativa que os isolados. Todos os extratos e frações testados foram capazes de reduzir os íons Ag+ a Ag0 , sendo que a menor nanopartícula foi aquela sintetizada com o extrato etanólico. No geral, essa nanopartícula foi a que apresentou melhor atividade antimicrobiana e melhor potencial antioxidante no teste de redução do ferro (FRAP), no teste de biocompatibilidade foi a que apresentou menos toxicidade nas maiores concentrações testadas. Foi a primeira vez que nanopartículas de prata foram testadas e se mostraram ativas contra o agente etiológico da cromoblastomicose, Fonsecaea pedrosoi. A síntese verde das nanopartículas de prata foi satisfatória, resultando em nanomateriais com boas características físico-químicas e biológicas. Para a elucidação completa dos constituintes majoritários da fração aquosa mais estudos se fazem necessários.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2714919 - DANIEL DIAS RUFINO ARCANJO
Interno - 1680593 - JAND VENES ROLIM MEDEIROS
Externo ao Programa - 000.000.000-00 - PETER EATON - UNIPORTO
Notícia cadastrada em: 02/03/2018 13:03
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 06/10/2022 00:43