Notícias

Banca de DEFESA: MARIANA DE MORAIS SOUSA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIANA DE MORAIS SOUSA
DATA: 13/04/2018
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do Núcleo Integrado de Morfologia e Pesquisas com Células-tronco (NUPCelt/UFPI)
TÍTULO: Bioacessibilidade, capacidade antioxidante e efeitos toxicogenéticos de polifenois do jamelão (Syzygium cumini (L.) Skeels) e aplicação tecnológica do fruto
PALAVRAS-CHAVES: Syzygium cumini (L.) Skeels; otimização; simplex centroid design; biopolifenois; bioacessibilidade; citogenotoxicidade.
PÁGINAS: 178
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
SUBÁREA: Tecnologia de Alimentos
RESUMO:

SOUSA, M. M. Bioacessibilidade, capacidade antioxidante e efeitos toxicogenéticos de polifenois do jamelão (Syzygium cumini (L.) Skeels) e aplicação tecnológica do fruto. 2018. 177 p. Tese (Pós-Graduação em Biotecnologia - RENORBIO) - Universidade Federal do Piauí, Teresina, Piauí, 2018. O jamelão (Syzygium cumini (L.) Skeels) é um fruto rico em nutrientes essenciais, e em compostos bioativos com ação antioxidante e farmacológica comprovadas. Estudos têm evidenciado os benefícios do jamelão na saúde, no entanto, o consumo desse fruto e de seus derivados têm encontrado resistências em função de sua elevada adstringência. Diante disso, esse estudo objetivou avaliar o potencial tecnológico do uso do jamelão em novos produtos; caracterizar o perfil polifenólico do fruto; avaliar a bioacessibilidade dos compostos bioativos identificados; analisar os possíveis efeitos toxicogenéticos, bem como propor um novo produto para fins de inserção no mercado. Inicialmente, fez-se uma revisão na literatura de artigos científicos e patentes sobre o tema, no âmbito nacional e internacional, empregando os termos “Syzygium cumini”, “Eugenia jambolana”,“jambolan”,“jamun” or “java plum”. Posteriormente, empregou-se técnica multivariada de misturas, simplex centroid design, para otimizar diferentes propoções do solvente extrator (água, etanol e acetona), e quantificação do conteúdo total das classes polifenólicas, bem como a determinação da atividade antioxidante. A caracterização dos polifenóis foi realizada por cromatografia líquida de alta eficiência, acoplada à espectrometria de massas. Avaliou-se os efeitos citogenotóxicos do extrato aquoso do jamelão, por meio de bioensasios com Artemia salina Leach e Allium cepa Linn, em diferentes concentrações. Foram determinados os componentes da mistura complexa, assim como sua ação antioxidante frente ao radical peroxil e oxidação lipídica. Para digestão in vitro das diferentes classes polifenólicas, empregou-se soluções de enzimas fisiológicas, nos diferentes estágios do processo digestivo. A extração de biopolifenois no processo simulado de digestão foi comparado à extração química, e verificado seus efeitos na resposta ao estresse oxidativo em Saccharomyces cerevisiae. Os resultados do levantamento científico e tecnológico apontaram 23 artigos e 20 patentes, utilizados na construção da revisão. O estudo mostrou que as características químicas, nutricionais e fitoquímicas do fruto favorecem o consumo in natura, bem como a elaboração de sucos, néctares, geléias, bebidas alcoólicas e especiarias. No entanto, demonstra que o principal entrave da aplicação do jamelão na indústria de alimentos é o controle de antocianinas e de taninos, que afetam cor e sabor, respectivamente. A análise multivariada demonstrou que as melhores respostas da extração de polifenois foram obtidas com a mistura binária água:acetona, 0,5:0,5 (v.v-1 ). A identificação dos biopolifenois demonstrou que quercetina deoxihexosideo e trímero de epigalocatequina foram as principais responsáveis pela ação antioxidante. O extrato aquoso do fruto também apresentou ação antioxidante, demonstrada pelos ensaios ORAC (112,31 ± 12,56 μmolTrolox.g-1 ) e inibição da oxidação lipídica (53,66%). Os resultados da citogenotoxicidade demonstraram que concentrações inferiores a 1500 μg.mL-1 , não exibiram efeito citotóxicos pelos métodos analisados. O estudo demonstrou ainda que o extrato aquoso do fruto não apresentou efeitos genotóxicos e mutagênicos significativos (p>0,05), em nenhuma das concentrações testadas nas raízes de A. cepa. Quanto à digestão, os resultados demonstraram aumentos significativos (p<0,05) dos biopolifenois durante a digestão gástrica. Na etapa duodenal, flavonoides e proantocianidinas foram estáveis às mudanças de pH, enquanto antocianinas sofreram degradação ao entrar em contato com o pH neutro. A atividade antioxidante das frações bioacessíveis está correlacionada às elevadas concentrações de flavonoides e proantocianidinas, refletindo na modulação de enzimas antioxidantes em S. cerevisiae. A partir dos resultados, conclui-se que o jamelão é uma fonte de compostos fenólicos bioacessíveis, capazes de prevenir, sequestrar radicais livres e reparar danos ocasionados pelo estresse oxidativo, além de modular a atividade das enzimas superóxido dismutase e catalase. Aliado a esses aspectos, os biopolifenois encontrados no fruto não ocasionam riscos de instabilidade genética, se consumido nas concentrações adequadas. Esses dados demostram a expressiva ação antioxidante do jamelão, estimulando seu consumo e, aproveitamento industrial, com perspectivas de aplicação na saúde.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2296591 - ALESSANDRA BRAGA RIBEIRO
Interno - 130.036.743-15 - ANA AMELIA DE CARVALHO MELO CAVALCANTE - UFPI
Interno - 1167629 - FERNANDA REGINA DE CASTRO ALMEIDA
Externo ao Programa - 749.351.783-53 - JOAQUIM SOARES DA COSTA JUNIOR - IFPI
Presidente - 423490 - NADIR DO NASCIMENTO NOGUEIRA
Notícia cadastrada em: 28/03/2018 08:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 09:40