Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: BARBARA VERONICA CARDOSO DE SOUZA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BARBARA VERONICA CARDOSO DE SOUZA
DATA: 05/02/2019
HORA: 09:00
LOCAL: NUPCelt/UFPI
TÍTULO: Obtenção e caracterização de extratos microencapsulados por spray drying de Bauhinia forficata Link subsp. forficata com atividade antioxidante e hipoglicemiante para o tratamento do diabetes mellitus.
PALAVRAS-CHAVES: Bauhinia forficata Link subsp. forficata; polifenois; flavonoides; bioacessibilidade; diabetes mellitus tipo 2; atividade antidiabética.
PÁGINAS: 63
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
RESUMO:

SOUZA, B. V. C. Obtenção e caracterização de extratos microencapsulados por spray drying de Bauhinia forficata Link subsp. forficata com atividade antioxidante e hipoglicemiante para o tratamento do diabetes mellitus. 2019. 200p. Tese (Pós-Graduação em Biotecnologia - RENORBIO) - Universidade Federal do Piauí, Teresina, Piauí, 2019.

 

O diabetes mellitus tipo 2 (DM2) caracteriza-se por uma hiperglicemia, devido a uma deficiência de insulina causada por disfunção das células β pancreáticas, com prevalência e morbimortalidade elevada. A Bauhinia forficata Link subsp. forficata é uma espécie vegetal com atividade antioxidante significativa e que pode ser utilizada no tratamento dessa patologia e prevenção de suas complicações. Diante disso, esse estudo objetivou obter e caracterizar extratos microencapsulados por spray drying, quanto ao perfil polifenólico; avaliar a bioacessibilidade dos compostos bioativos identificados; analisar os possíveis efeitos tóxicos, além de verificar a atividade antidiabética dos extratos obtidos para a aplicação em formulações farmacêuticas para o tratamento do diabetes. Inicialmente, fez-se uma revisão de patentes sobre o tema, no âmbito nacional e internacional, empregando os termos “Bauhinia forficata” e “diabetes mellitus”. Posteriormente, empregou-se a microencapsulação por spray drying para obter os extratos secos, que foram caracterizados quanto ao perfil fitoquímico, análise de cromatografia líquida de alta eficiência, acoplada à espectrometria de massas, espectrometria de infravermelho (FTIR), atividade antioxidante, análises térmicas (calorimetria exploratória diferencial-DSC, termogravimetria-TG, difração de raio-X - DRx), morfológicas (microscopia eletrônica de varredura) e reológicas. Para a bioacessibilidade das diferentes classes de polifenois, utilizou-se soluções de enzimas fisiológicas, nos diferentes estágios do processo digestivo. A extração de biopolifenois no processo simulado de digestão foi comparado à extração química e verificado seus efeitos na resposta ao estresse oxidativo nos ensaios ABTS, FRAP e ORAC. Avaliou-se os efeitos tóxicos dos extratos secos e a atividade antidiabética em camundongos da linhagem Swiss. Induziu-se o DM2, nestes animais, com estreptozotocina e administrou-se os extratos, por 28 dias, sendo verificada a glicemia semanalmente e depois analisou-se os parâmetros bioquímicos, hematológicos e histológicos.  Na revisão de patentes, encontrou-se apenas sete patentes com a utilização da B. forficata no tratamento diabetes, sendo importante para subsidiar o desenvolvimento desta tese. A microencapsulação dos extratos foi eficaz, aumentando o conteúdo dos compostos bioativos, sendo bioacessíveis para atuarem como antioxidante e antidiabéticos, pois os resultados indicaram que a glicemia dos animais tratados reduziu 77,26%, 57,79% e 45,15%, após a suplementação com ESIN (200 e 600 mg/kg/dia) e ESDC (600mg/kg/dia), respectivamente, quando comparados com o grupo diabético tratado com metformina (21,53%). Observou-se também uma melhora da resposta glicêmica nesses mesmos grupos, além de uma recuperação das células β pancreáticas. Assim, este estudo demonstrou que esses extratos, apresentaram atividade antidiabética, com uma toxicidade inferior à metformina, sendo potenciais agentes terapêuticos para aplicações em formulações farmacêuticas para o tratamento do DM2.



MEMBROS DA BANCA:
Interno - 130.036.743-15 - ANA AMELIA DE CARVALHO MELO CAVALCANTE - UFPI
Presidente - 1512631 - LIVIO CESAR CUNHA NUNES
Interno - 125.859.984-87 - ROMULO JOSE VIEIRA - NENHUMA
Notícia cadastrada em: 28/01/2019 08:31
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 25/09/2022 01:38