Notícias

Banca de DEFESA: ANA SIQUEIRA DO NASCIMENTO MARREIRO TEIXEIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA SIQUEIRA DO NASCIMENTO MARREIRO TEIXEIRA
DATA: 24/06/2019
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do Programa Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais (PPGCM /CT/UFPI)
TÍTULO: Uso da Enzima Polifenol Oxidase e das Nanoparticulas de Mesocarpo de Babaçu (Orbignya phalerata Mart) para Construção de Biossensor com Vistas em Aplicações Biotecnológicas
PALAVRAS-CHAVES: Nanopartículas Poliméricas, Mesocarpo de Babaçu, Polifenol Oxidase, Biossensor, Sulfito
PÁGINAS: 144
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
RESUMO:

Atualmente, tem se constatado que as alergias alimentares se tornaram mais frequentes devido as altas demandas no uso de produtos industriais, tais como os aditivos alimentares. Dentre os aditivos utilizados na indústria de alimentos podemos destacar os agentes sulfitantes, que apesar de sua eficácia na conservação de alimentos, tem apresentado inúmeras reações adversas em pessoas sensíveis a esses aditivos. Diante do que foi relatado, percebe-se a necessidade de métodos confiáveis, sensíveis e seletivos, tais como os biossensores, para avaliar, com segurança, a presença destes aditivos em um determinado produto alimentício. A partir desta problemática, o presente trabalho objetivou a construção de um biossensor eletroquímico para determinação de sulfito em alimentos, utilizando a enzima polifenol oxidase (PFO), e os polímeros naturais quitosana e o mesocarpo de babaçu (Orbignya phalerata Mart), sendo este último utilizado na forma de nanopartículas poliméricas (MBNPs). As MBNPs foram sintetizadas pelo método de diálise e caracterizadas pelas técnicas de Espalhamento Dinâmico da Luz- DLS, Potencial Zeta e Microscopia Eletrônica de Varredura-MEV, confirmando o sucesso na síntese das nanopartículas poliméricas. O biossensor ECP/MBNPs/QUIT/GA/PFO foi construído pela técnica “casting”, sendo o filme multicamadas adsorvidos sobre o eletrodo de carbono grafite pirolítico, e caracterizado eletroquimicamente pela técnica de Voltametria Cíclica (VC) e Voltametria de Onda Quadrada (VOQ), se mostrando eficiente para detecção do sulfito em sucos industrializados. O biossensor apresentou limite de detecção de 0,151 µmol L-1 e limite de quantificação de 0,452 µmol L-1 . No sentido de analisar a originalidade do trabalho, também foi apresentando um estudo de prospecção científica e tecnológica realizado nas bases científicas Web of Science, Scopus e Scielo, e nos bancos de patentes do Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI, Escritório Europeu de Patentes - Espacenet e Escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos – USPTO, demonstrando que o biossensor para determinação de sulfito, utilizando nanopartículas poliméricas obtidas a partir do mesocarpo de babaçu (MBNPs) e a enzima polifenol oxidase, é algo inovador, visto que não foi encontrado nenhum relato na literatura com abordagem semelhante.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANDRESSA GALLI - UNICENTRO
Presidente - 2549060 - CARLA EIRAS
Externo ao Programa - 1714193 - JOSE MILTON ELIAS DE MATOS
Interno - 1167321 - MARIA RITA DE MORAIS CHAVES SANTOS
Externo ao Programa - 2406262 - ROBERTO ALVES DE SOUSA LUZ
Notícia cadastrada em: 03/06/2019 11:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 25/09/2022 09:21