Notícias

Banca de DEFESA: RAFAEL RODRIGUES DE MORAES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAFAEL RODRIGUES DE MORAES
DATA: 14/02/2020
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório do PPG em Ciências do Materiais - CT
TÍTULO: Nanocompósito a base de polímero natural renovável para aplicações eletroquímicas
PALAVRAS-CHAVES: nanopartícula de azul da Prússia, goma do cajueiro, Anacardium Occidentale L., bionanocompósito, voltametria cíclica, fármacos
PÁGINAS: 105
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
RESUMO:

Os nanocompósitos são uma classe de materiais de bastante destaque nas últimas décadas. Produtos naturais renováveis, como os biopolímeros, tem sido relevantes nesta área, e utilizados como matéria-prima na obtenção de novos (nano)materiais. Destes, os polissacarídeos são bastante conhecidos por atóxicos, de baixo custo, ampla disponibilidade, susceptíveis à modificação química, capacidade de interagir com outras espécies dispersas ou dissolvidas, entre outras. A utilização de nanopartículas de azul da Prússia (PBNP’s) também vem sendo bastante empregada como matéria-prima para este fim. O heteropolissacarídeo da goma do cajueiro (HGC), um polímero natural renovável extraído do exsudato do tronco do cajueiro (Anacardium occidentale L.), e uma potencial ferramenta para a obtenção de novos (bio)nanocompósitos. Neste trabalho, foi obtido um nanocompósito a base de polímero natural a partir da obtenção e incorporação in situ de PBNP’s à matriz molecular do biopolímero HGC (PBNP’s@HGC). Posteriormente, foi avaliada a potencialidade deste nanocompósito como camada ativa para o desenvolvimento de sensores eletroquímicos para detecção dos fármacos, tais como o metamizol (MTM), acetaminofeno (ACT) e metotrexato (MTX) a 100,0 mol L-1 . O nanomaterial obtido foi caracterizado por espectroscopia de absorção eletrônica na região do ultravioleta e visível (UV-Vis), e infravermelho (FTIR), Espalhamento Dinâmico de Luz (DLS), potencial Zeta, Microscopia Eletrônica de Transmissão (TEM), Difração de raios X (DRX), e Voltametria Cíclica (VC). Os resultados evidenciaram a formação de uma estrutura molecular ramificada, contendo PBNP’s de formato esfério, e tamanhos entre 5 e 13 nm, estruturalmente estáveis, bastante cristalinas, e homogeneamente distribuídas pela estrutura do biopolímero. Tais resultados mostraram que as PBNP’s são mantidas incorporadas ao HGC por interações supramoleculares. O eletrodo modificado com PBNP’s@(HGC 1,0%) teve boa eletroatividade, e estabilidade eletroquímica, o qual exibiu dois processos, Ipa1/Ipc1 (+ 0,16 V/ + 0,10 V) e Ipa2/Ipc2 (+ 0,86 V/+ 0,75 V), característicos das PBNP’s e já bem descritos na literatura. Os ensaios de eletro-oxidação dos fármacos MTM, ACT e MTX sobre a superfície do eletrodo modificado com PBNP’s@(HGC 1,0%) revelaram que este nanocompósito é um nanomaterial promissor com potencial para aplicações no desenvolvimento de sensores eletroquímicos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2549060 - CARLA EIRAS
Interno - 1718303 - DURCILENE ALVES DA SILVA
Externo ao Programa - 1998602 - EVERSON THIAGO SANTOS GERONCIO DA SILVA
Interno - 423287 - JOSE RIBEIRO DOS SANTOS JUNIOR
Externo à Instituição - JUDITH PESSOA DE ANDRADE FEITOSA - UFC
Notícia cadastrada em: 30/12/2019 11:49
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 07:43