Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: GABRIELA DANTAS CARVALHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GABRIELA DANTAS CARVALHO
DATA: 04/02/2020
HORA: 14:30
LOCAL: Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais - NPPM/CCS/UFPI
TÍTULO: Farnesol: Potencial agente anti-hipertensivo
PALAVRAS-CHAVES: farnesol; ciclodextrina; hipertensão renovascular; hipotensão
PÁGINAS: 124
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
SUBÁREA: Farmacologia Cardiorenal
RESUMO:

O farnesol, um álcool sesquiterpeno, composto por três unidades de isopreno, atuante em processos inflamatórios, antioxidantes e potente indutor apoptótico, porém ainda pouco explorado e sem indícios de aplicabilidade sobre o sistema cardiovascular. As ciclodextrinas (CDs), formam complexo de inclusão em sua cavidade lipofílica, visando reduzir a volatilidade e toxicidade, aumentar a estabilidade e a solubilidade em água.
O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos do composto de farnesol e farnesol complexado com beta-CD (-CD) sobre o sistema cardiovascular, verificando o efeito destes sobre a PA e FC de ratos normotensos e hipertensos (modelo Goldblatt 2R-1C), promovendo o delineamento do mecanismo de ação envolvido. Em estudo da citotocixidade do farnesol em macrófagos murinos, observou-se uma redução a viabilidade celular acima de 50% apenas a partir da concentração de 400µg/mL, apresentando um valor de CL50 de (65,205 μg/mL). O farnesol nas doses (6, 12,5 e 25 mg/kg) em administrações endovenosas promove efeito hipotensor e taquicardia. A redução da pressão arterial não foi alterado na presença de L-NAME (20mg/kg),
enquanto que a taquicardia foi atenuada, sugerindo que a enzima NO-sintase pode interferir no efeito do farnesol sobre a frequência cardíaca (FC). Em administração oral, o farnesol (100mg/kg) promoveu uma redução da pressão arterial com o tempo de duração de 240 minutos, quando retorna aos valores pressóricos basais. A
administração oral do farneso/-CD (100mg/kg), não promoveu alteração da pressão arterial. Em contrapartida, em animais hipertensos 2R-1C o farnesol (6, 12,5 e 25 mg/kg, i.v.) promoveu efeito anti-hipertensivo e bradicárdico. Na presença de atropina (2mg/kg), observou que houve uma atenuação da PA e da FC. Em ratos 2R-1C, tanto o farnesol livre como o farnesol/-CD (200mg/kg v.o) apresentaram efeito anti-
hipertensivo, com tempo máximo de duração de 200 minutos. Concluímos que, o farnesol reduz pressão arterial em ratos normotensos e apresenta efeito anti-hipertensivo no modelo 2R-1C, estudos adicionais estão sendo realizados para melhor esclarecer o mecanismo de ação.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FRANCILENE VIEIRA DA SILVA - UEMA
Interno - 423551 - RITA DE CASSIA MENESES OLIVEIRA
Externo ao Programa - 1549302 - SIDNEY GONCALO DE LIMA
Notícia cadastrada em: 08/01/2020 10:52
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 03/10/2022 05:31