• O sistema entrará em processo de atualização de funcionalidades às 13:30. Pedimos a todos que salvem seus trabalhos para que não haja transtornos.
    Agradecemos a compreensão, em 15 minutos o sistema estará de volta.
Notícias

Banca de DEFESA: VIVIANNE RODRIGUES AMORIM

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VIVIANNE RODRIGUES AMORIM
DATA: 27/11/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Sala virtual
TÍTULO: PROPRIEDADES FUNCIONAIS DO FRUTO DE Mauritia flexuosa EM MODELOS EXPERIMENTAIS DE INFLAMAÇÃO, ESTRESSE OXIDATIVO E DISTÚRBIOS METABÓLICOS
PALAVRAS-CHAVES: Atividade anti-edematogênica. Quimioprevenção. Ação hipolipemiante.
PÁGINAS: 166
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Alterações relevantes no estilo de vida da população, incluindo mudanças nos hábitos alimentares e elevados níveis de sedentarismo, transformou o padrão de morbimortalidade do brasileiro, que reduziu as doenças transmissíveis em oposição ao aumento das doenças não transmissíveis que geralmente são tratadas com o uso de polifarmácia. Uma alternativa a estes tratamentos é a utilização de alimentos ricos em nutrientes, de elevado valor nutricional e atividades farmacológicas, aliados a mudanças de estilo de vida. Existem várias matérias primas que podem ser utilizados como ingredientes na produção de novos alimentos funcionais e este trabalho se propôs utilizar o Buriti (Mauritia flexuosa), pelo seu potencial tecnológico e funcional. Assim os objetivos foram: investigar em protocolos utilizando camundongos swiss, a atividade antiinflamatória e analgésica de Mauritia flexuosa, bem como análise da influencia da ingesta deste extrato sobre o trânsito intestinal; analisar atividade antioxidante in vitro; descrever em protocolos utilizando ratas Wistar, possível potencial hipolipemiantes das amostras de epicarpo, mesocarpo e endocarpo bem como verificação de parâmetros bioquímicos de avaliação renal, hepática e cardíaca, além de identificar in vivo se o fruto de Mauritia flexuosa tem atividade antioxidante; desenvolver produto à base do fruto de M. flexuosa com potencial para uso como Alimento funcional. Inicialmente foram realizados protocolos de inflamação em pata de camundongos swiss induzido por carragenina (bem como análise histológica da pata edemaciada), composto 48/80, histamina, serotonina e prostaglandina E2, onde se verificou que o fruto de M. flexuosa teve um efeito antiinflamatório, principalmente a fração mesocarpo, com efeito anti-inflamatório mais significativo e duradouro na redução dos níveis de histamina no local da inflamação. Ainda sobre a avaliação da atividade anti-inflamatória, foi também induzido peritonite, onde se avaliou o número total de leucócitos e níveis de citocinas pro-inflamatórias (IL-1β e TNF-α.) e os resultados deste protocolo demonstraram que houve redução no número total de leucócitos bem como nos níveis de TNF-𝜶. Verificou-se atividade anti-nociceptiva induzida por ácido acético (avaliação do número de contorções e o intervalo entre as mesmas) onde se identificou que o epicarpo foi a fração do fruto com melhor atividade analgésica; identificou se houve alteração na permeabilidade vascular vesical marcada com azul de Evans e os dados encontrados demonstraram que o fruto de M. flexuosa não alterou a permeabilidade vascular de modo significativo. Em seguida foram realizados protocolos in vitro para avaliar a atividade antioxidante frente a produção de radicais DPPH• , ABTS•+ , TBARS, nitrito e determinar o potencial redutor de Fe2+, onde se verificou que o epicarpo foi a fração com melhor atividade antioxidante in vitro. Em seguida em protocolo hipercalórico em ratas Wistar, onde foi identificado potencial hipolipemiantes de M. flexuosa, bem como possível efeito desse extrato sobre a avaliação renal, hepática e cardíaca e o perfil hepático in vivo de enzimas antioxidantes e de peroxidação lipídica. Por fim, foi analisado alterações no trânsito intestinal usando como marcador o carvão ativado, e se verificou que o fruto de M. flexuosa não o alterou de modo significativo. Os resultados apresentados expressaram ser a M. flexuosa uma matéria prima promissora para desenvolvimento de Alimento funcional com propriedades anti-inflamatórias, hipolipemiantes, antioxidante e com possível atividade cardioprotetora.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 3107513 - DALTON DITTZ JUNIOR
Interno - 2714919 - DANIEL DIAS RUFINO ARCANJO
Externo à Instituição - JOSÉ ROBERTO DE OLIVEIRA FERREIRA - UNCISAL
Externo ao Programa - 1167710 - MARIA DO CARMO DE CARVALHO E MARTINS
Presidente - 1638239 - PAULO MICHEL PINHEIRO FERREIRA
Notícia cadastrada em: 05/11/2020 10:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 30/09/2022 13:27