Notícias

Banca de DEFESA: GEANDRA BATISTA LIMA NUNES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GEANDRA BATISTA LIMA NUNES
DATA: 10/06/2014
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do bloco de Farmácia - CCS/UFPI
TÍTULO:

Avaliação pré-clinica e bioprospeccção de produtos derivados das riparinas.


PALAVRAS-CHAVES:

Aniba riparia, Antioxidante, Antimicrobiana, Antitrombótica, Citotoxicidade, Riparinas.


PÁGINAS: 143
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Do fruto verde da Aniba riparia (Nees) Mez (Lauraceae), foram isolados alguns alcalóides, do tipo alcamidas, as riparinas (I, Il e III), com atividades farmacológicas. Foram preparados novos derivados da riparina, denominadas riparinas A, B, C, D, E e F. O presente estudo realizou a otimização da síntese dessas substâncias e avaliações pré-clínicas de atividades farmacológicas: antioxidante “in vitro” e “in vivo” com avaliação do estresse oxidativo, testes de citotoxicidade, antimicrobiana, antihelmíntica e estudos comportamentais. A prospecção científica e tecnológica foi realizada em bases de dados, encontrando dezesseis artigos publicados na última década nenhum registro de depósito de patentes nas bases tecnológicas sugerindo a necessidade de um investimento cientifico e tecnológico, que, com base nas propriedades atribuidas à A. Riparia estimulem o desenvolvimento de produtos derivados desta espécie. A avaliação da atividade antioxidante “in vitro” sugere que, as riparinas A-F, por meio da capacidade de remoção de nitrito e de radicais hidroxila, bem como pela redução da peroxidação lipídica, são fontes promissoras de compostos biologicamente ativos com propriedades antioxidantes. As riparinas C,D, E e F foram citotóxicas para as linhagens de células tumorais testadas. Nos testes antitrombóticos as Rip E e Rip A, apresentaram uma significativa capacidade de lise de coágulos, quando avaliado a percentagem de lise nas doses de 25 e 50 µg/tubo. Nos testes antibacterianos e antifúngicos as amostras de Rip E e F foram as mais ativas, aumentando o halo de inibição obtido no cultivo de fungos e bactérias gram positivas e negativas, por meio do método de cup-plate e de difusão em disco, chegando a superar os resultados do cultivo com os controles positivos (fluconazol, ciprofloxacina e azitromicina). A riparina E e F foram as mais efetivas quando avaliadas quanto à atividade antihelmintica pelo efeito “in vitro” sobre vermes adultos do Schistossoma mansoni. A Rip E apresentou os melhores resultados nas atividades farmacológicas testadas, sugerindo uma possível relação entre aestrutura e a atividade. A atividade antioxidante “in vivo” e o estresse oxidativo mitocondrial, foi avaliado em camundongos expostos à Riparina A, uma molécula formada, basicamente, pelo núcleo fundamental das demais substâncias. Em relação ao controle negativo houve redução da concentração de TBARS e de nitrito nas mitocondrias isoladas do cérebro e fígado dos camundongos, houve redução dos níveis de GSH no tecido hepático e cerebral, a atividade da SOD e da catalase aumentaram no cerebro nquanto no fígado SOD permaneceu inalterada e catalase teve atividadereduzida. O potencial antioxidante estruturalmente proposto, foi confirmado nos testes “in vitro” e sugerido “in-vivo” pela promoção da redução do conteúdo de TBARS e nitrito. As dicotomias que surgem pela redução das atividades enzimáticas necessitam ser melhor elucidadas e relacionadas à possibilidade de uma modulação enzimática pró-oxidante. Os resultados obtidos configuram como estimulo e subsidio à pesquisas congêneres e fomentam a formulação de fármacos e a bioprospecção de produtos derivados das riparinas, além de permitir a otimização da síntese destes compostos de forma o obter mLéculas que atendam a demanda crescente por substâncias estruturalmente inovadoras.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1553988 - EDSON CAVALCANTI DA SILVA FILHO
Externo ao Programa - 1167750 - FERNANDO AECIO DE AMORIM CARVALHO
Externo à Instituição - JOAQUIM SOARES DA COSTA JUNIOR - IFPI
Interno - 1167321 - MARIA RITA DE MORAIS CHAVES SANTOS
Presidente - 1638285 - RIVELILSON MENDES DE FREITAS
Notícia cadastrada em: 10/06/2014 08:26
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 06/10/2022 00:38