Notícias

Banca de DEFESA: RAIZA RAIANNE LUZ RODRIGUES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAIZA RAIANNE LUZ RODRIGUES
DATA: 09/11/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferencia
TÍTULO: CORDIAQUINIONA E (CORe): NAFTOQUINONA COM PROPRIEDADES ANTILEISHMANIA E ESTIMULADORA DA RESPOSTA IMUNE TH1
PALAVRAS-CHAVES: Cordiaquinona E; Leishmania amazonensis; apoptose; citocinas.
PÁGINAS: 86
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

As leishmanioses são zoonoses causadas por protozoários pertencentes ao grupo de Doenças Tropicais Negligenciadas (DTN), sendo a segunda doença parasitária de maior incidência no mundo, estando endemicamente presente em 97 países. A terapêutica convencional para essas enfermidades, baseada principalmente em antimoniais pentavalentes, apresenta elevada toxicidade, longos períodos de tratamento e muitos casos de resistência, tornando necessária a busca por novos fármacos. Nesse contexto, as plantas medicinais representam uma fonte de novas moléculas bioativas já tendo revelado inúmeras substâncias com atividade antileishmania promissora. Partindo desse princípio, temos as naftoquinonas, uma classe de quinonas que apresenta diversas atividades biológicas, dentre elas, a atividade antileishmania. Diante do exposto, o presente trabalho teve como objetivo investigar a atividade antileishmania da cordiaquinona E (CORe), uma naftoquinona isolada das raízes da Cordia polycephala (Lam.) I. M. Johnston, sobre formas promastigotas e amastigotas de Leishmania (Leishmania) amazonensis e seus possíveis mecanismos de ação. A CORe foi efetiva em inibir o crescimento de formas promastigotas (CI50 4,5 μM) e amastigotas axênicas (CE50 2,89 μM), possuindo maior citotoxicidade para o parasito do que para macrófagos RAW 264.7 (CC50 246,81 μM). CORe apresentou índices de seletividade superiores aos medicamentos de referência, antimoniato de meglumina e anfotericina B, que apresentam toxicidade 4,68 e 42,84 vezes maior, respectivamente, quando relacionada a forma promastigota. Nossos resultados sugerem que a CORe induz um padrão de morte celular em promastigotas envolvendo apoptose com secundária morte por necrose, observado pelo aumento do número de células com a marcação anexina V-FITC+ e 7AAD- e anexina V-FITC+ e 7AAD+. Pela observação das formas promastigotas tratadas na Microscopia de Força Atômica (MFA), contemplou-se invaginações e danificação das ultraestruturas do protozoário, sugerindo atividade antileishmania do tipo leishmanicida. No modelo de infecção em macrófagos com L. amazonensis o tratamento com a CORe diminuiu a porcentagem de infecção, o número de amastigotas/macrófago infectado e o índice de infecção de macrófagos, com reduções de 88,9 %, 79,5 % e 98,5 % na concentração de 50 μM, respectivamente aos parâmetros citados após 72 h de tratamento. A CORe mostrou-se uma maior atividade contra as formas amastigotas intracelulares (CE50 1,92 μM) evidenciando efeitos sobre a ativação macrofágica. A atividade antiamastigota foi associada a uma atividade imunomoduladora uma vez que aumentou os níveis de TNF- α, IL-12, NO e EROs, bem como diminuiu os níveis de IL-10. Os resultados sugerem que a CORe é uma substância com atividade antileishmania in vitro promissora e candidata a ser investigada em modelos in vivo de leishmaniose tegumentar.

 

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2140923 - ANA JERSIA ARAUJO
Externo à Instituição - Flavia Raquel Fernandes do Nascimento - UFMA
Externo à Instituição - JOILSON RAMOS DE JESUS - IESVAP
Interno - 2362290 - KLINGER ANTONIO DA FRANCA RODRIGUES
Notícia cadastrada em: 03/11/2020 15:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 29/09/2022 09:01