Notícias

Banca de DEFESA: FERNANDA MELLO DA SILVA SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FERNANDA MELLO DA SILVA SOUSA
DATA: 22/07/2022
HORA: 08:30
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO: PADRÕES REGULARES DE ENTROPIA AMOSTRAL NÃO APRESENTAM LINEARIDADE COM A FREQUÊNCIA DE QUEDAS EM INDIVÍDUOS COM NEUROPATIA PERIFÉRICA DIABÉTICA
PALAVRAS-CHAVES: Diabetes Mellitus; Neuropatias Diabéticas; Equilíbrio Postural; Acidentes por quedas; Entropia.
PÁGINAS: 71
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

Introdução: O Diabetes Mellitus (DM) é um grupo de doenças metabólicas caracterizado pela hiperglicemia crônica que pode levar a complicações micro e macrovasculares, dentre as quais a mais prevalente é a Neuropatia Periférica Diabética (NPD). Repercussões na função sensoriomotora são vistas nesta população, interferindo no controle postural e aumentando o risco de quedas. O controle postural é geralmente analisado pela avaliação linear do deslocamento do centro de pressão (COP), que apresenta um certo grau de não-linearidade. As análises não-lineares têm se tornado mais prevalentes na literatura, visto que são tipicamente investigadas usando conceitos relacionados à variabilidade, estabilidade, complexidade e adaptabilidade. Objetivo: Investigar se a frequência de quedas possui uma associação com as medidas não-lineares do COP em indivíduos com DM2. Metodologia: Oitenta e um indivíduos foram divididos em três grupos: Grupo controle (GC), Grupo Diabetes Mellitus (GDM) e Grupo Neuropatia Periférica Diabética (GNPD). A primeira etapa do experimento correspondeu à avaliação inicial, incluindo consentimento do participante, avaliação da NPD e do relato de quedas. Na segunda etapa, o equilíbrio estático foi avaliado por meio da plataforma de força, com olhos abertos e fechados. O teste de Kruskal-Wallis e o post-hoc de Dunn’s foram realizados para comparar a frequência de quedas e investigar os efeitos do DM e NPD nos índices posturais calculados a partir dos sinais do COP. Resultados: O maior relato de quedas foi observado no GNPD apenas quando comparado ao GC (p= <0,0001). Os resultados do equilíbrio revelaram uma maior oscilação corporal no GNPD, acompanhada por um padrão de oscilação médio-lateral mais regular e uma oscilação anteroposterior e médio-lateral mais sincronizada. Buscou-se verificar uma associação entre o relato de quedas e as medidas não-lineares do COP no GNPD, no entanto, por meio da análise do gráfico de dispersão foi possível visualizar que não existe uma linearidade entre as variáveis. Conclusão: Sujeitos com NPD apresentam maiores comprometimentos do equilíbrio, com padrões fixos que evidenciam baixa complexidade no sistema de controle postural. Contudo, mesmo que os métodos não-lineares estejam relacionados com a complexidade dos sistemas e sejam consideradas ferramentas sensíveis na avaliação do equilíbrio, estes não parecem estar associados a frequência de quedas em pessoas com NPD.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1643216 - ALESSANDRA TANURI MAGALHAES
Interno - 1900252 - BALDOMERO ANTONIO KATO DA SILVA
Presidente - 1774210 - VINICIUS SAURA CARDOSO
Notícia cadastrada em: 18/07/2022 13:45
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 04/10/2022 09:31