Notícias

Banca de DEFESA: RICARDO BARBOSA DE SOUSA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RICARDO BARBOSA DE SOUSA
DATA: 21/09/2021
HORA: 09:00
LOCAL: sala virtual - https://meet.google.com/vjv-rgcf-ees
TÍTULO: CELULOSE BACTERIANA: UMA PLATAFORMA VERSÁTIL PARA CRESCIMENTO DE FOSFATOS DE CÁLCIO CONTENDO CÉRIO PARA APLICAÇÕES BIOMÉDICAS
PALAVRAS-CHAVES: Polissacarídeos; Íons Lantanídeos; Biocerâmicas; Nanocompósitos.
PÁGINAS: 120
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
SUBÁREA: Química Inorgânica
ESPECIALIDADE: Físico Química Inorgânica
RESUMO:

Celulose bacteriana, também conhecida como celulose microbiana ou biocelulose (CB) é um exopolissacarídeo oriundo de rotas biossintéticas de diversas espécies de bactérias, sobretudo as pertencentes ao gênero Komagataeibacter. Haja vista suas excelentes propriedades mecânicas, provenientes de sua estrutura 3D ultrafina, elevada resistência mecânica e alta cristalinidade, este biopolímero tem sido empregado na fabricação de compósitos e como plataforma para o crescimento de diversos biomateriais como os fosfatos de cálcio, com finalidades biomédicas, sobretudo relacionadas à regeneração tecidual óssea. Os fosfatos de cálcio, que compõem de forma predominante a fração mineral de ossos e dentes (tecidos duros), possuem sítios disponíveis para a substituição de íons Ca2+ por íons cério, os quais, segundo pesquisadores, uma vez adicionados em pequenas quantidades em materiais implantados, podem estimular a atividade metabólica com potencialização das atividades antioxidante e osteogênese. Membranas de celulose bacteriana (CB) biossintetizadas por bactérias da espécie Komagataeibacter rhaeticus AF1 foram empregadas neste trabalho como uma plataforma para precipitação de fosfatos de cálcio contendo cério (Ce:CaP), os quais foram sintetizados por imersões sucessivas das membranas em soluções precursoras contendo íons Ca2+, PO43- e Ce3+. Após obtidos os compósitos, designados como CB-Ce:CaP, estes foram submetidos a uma etapa de calcinação a 600 °C durante 3 h. CB-Ce:CaP e Ce:CaP foram caracterizados pelas técnicas de microscopia eletrônica de varredura (MEV), espectroscopia de energia dispersiva de raios-X (EDS), análises termogravimétricas (TG/DTG) e difração de raios-X.  Ce:CaP apresentou as fases hidroxiapatita, clorapatita e buchwaldita (fosfato de cálcio e sódio) e revelou uma estrutura trabecular constituída por nanoestruturas com poros interconectados. CB-Ce:CaP e Ce:CaP apresentaram viabilidade celular e são materiais promissores, respectivamente, para aplicações em regeneração óssea guiada e como scaffolds minerais. Adicionalmente, foram produzidos compósitos CB-Ce:CaP com variação dos ciclos de imersão para 3 e 6 ciclos com concentração de 5,0% (mol/mol) em cério, os quais foram caracterizados por difração de raios-X, espectroscopias vibracionais na região do infravermelho e Raman, análises termogravimétricas e microscopia eletrônica de varredura. Foram realizados ensaios de degradação in vitro em tampão fosfato salino (PBS) a 37 ºC e pH 7,4, entre 1 a 28 dias, com as amostras CB (celulose bacteriana liofilizada), CB-CaP (celulose bacteriana/fosfatos de cálcio) e CB-Ce:CaP13 (celulose bacteriana/fosfatos de cálcio contendo cério, utilizando 3 ciclos de imersão), as quais foram todas viáveis. Foi verificado aumento da massa de CB durante este intervalo com formação de hidroxiapatita para todas as amostras. Por meio de análises de espectroscopia vibracional na região do infravermelho e Raman foi observada a ocorrência de ligações do tipo Ce-O, indicativa da presença de óxidos de cério. As análises de microscopia eletrônica de varredura, por sua vez, revelaram a ocorrência das morfologias urchin-like e flower-like, além da formação de estruturas microporosas de hidroxiapatita sobre a superfície de celulose bacteriana, que podem ser auxiliares nos processos de neovascularização de tecidos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1553988 - EDSON CAVALCANTI DA SILVA FILHO
Interno - 1722880 - JOSY ANTEVELI OSAJIMA FURTINI
Interno - 1357378 - CARLA VERONICA RODARTE DE MOURA
Interno - 2157495 - ANDERSON NOGUEIRA MENDES
Externo à Instituição - EWERTON GOMES VIEIRA - IFMA
Externo à Instituição - HERNANE DA SILVA BARUD - UNIARA
Externo à Instituição - ANA CLÉCIA SANTOS DE ALCÂNTARA - UFMA
Notícia cadastrada em: 09/09/2021 18:34
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 25/02/2024 03:10