Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: AVELAR AMORIM LIMA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AVELAR AMORIM LIMA
DATA: 27/11/2015
HORA: 14:30
LOCAL: CCHL
TÍTULO:

Aquenda, mona!: Travessia etnográfica pelas experiências de drag queen em Teresina-PI


PALAVRAS-CHAVES:

drag queen, Teresina, gênero, corpo, sexualidade.


PÁGINAS: 80
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Antropologia
RESUMO:

Explorar o universo Drag Queen exige uma etnografia atenta pelo dinamismo da mutação instantânea desse devir feminino misterioso e híbrido. A pessoa da Drag Queen também busca está não apenas em seu ethos, mas em qualquer lugar; convicta do “gás” que o move, esbanjam no olhar uma máscara de brilho e liberdade. Dentro dessa perspectiva, “aquendar com as drags” é um termo que traduz o sentido de despertar para e por elas ou com elas; perceber e aprender que ela existe e quer ser; que ela não quer esconder-se; quer participar e compartilhar desse ser onde tiver gente para interagir. Nessa dissertação, o campo escolhido é a capital Teresina-PI, num processo etnográfico que busca encontra-las (as drags) num espaço “além palco” ou de boates numa cidade em que grande parte da população percebe os Shopping Centers como opção mor de espaço propiciador de lazer e entretenimento.

Nesse viés de busca de significação para suas práticas corporais, a drag queen transita um gênero que se instiga reflexividade da forma em que se assumem, universo esporádico do ser, um ou outro gênero além de simplesmente ser um corpo montado uma vitrine de arte. O corpo é uma fonte inesgotável de sentidos e significados. A todo instante o corpo se educa, se coloca em situação de entrelaçamento das culturas existentes, seja de forma sutil ou até mesmo enraizada. Diante disso se percebe a importância de um olhar reflexivo ao corpo da Drag, seja andrógena, caricata ou palhaço de luxo. Ela é corpo participante e construído em seu leque expressivo de singularidades que performa seu sistema de vida num duelo entre o ser latente e o ser inventado.

Considerando que, no atual contexto histórico, as discussões envolvendo transgêneros, estão inseridas nos conhecimentos científicos, sob a ótica das diversidades, pluralidades, respeito às diferenças e sensibilidade em relação a gênero e orientação sexual e, ainda assim, estão cotidianamente vulneráveis às intolerâncias de toda feita, compreendemos que urge dialogarmos mais sobre esta temática com propósitos de desconstrução do preconceito direcionados à população LGBT e, dentro destas, a drag queen.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANNA PAULA VENCATO - UNIP
Externo à Instituição - BRUNO DALLACORT ZILLI DE JESUS - UERJ
Externo à Instituição - FERNANDO DE FIGUEIREDO BALIEIRO - UFPel
Interno - 1520279 - FRANCISCA VERONICA CAVALCANTE
Notícia cadastrada em: 26/11/2015 16:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 30/11/2022 14:28