Notícias

Banca de DEFESA: SÉRGIO MARCELO COÊLHO LUSTOSA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SÉRGIO MARCELO COÊLHO LUSTOSA
DATA: 31/08/2023
HORA: 14:00
LOCAL: SALA 03 NPG/UESPI
TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM PRODUTO BIOTECNOLÓGICO PARA INDUÇÃO DA FORMAÇÃO ÓSSEA, PARA APLICAÇÃO EM SAÚDE
PALAVRAS-CHAVES: Polímeros; Polianilina; Norbixina; Nanopartículas de prata; Toxicidade; Citotoxicidade; genotoxicidade.
PÁGINAS: 132
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A polianilina (PANI) é um polímero que pode apresentar diferentes estados de
oxidação, onde em sua forma dopada, obtida em meio ácido, apresenta alta
condutividade elétrica. Neste trabalho foram sintetizados dois polímeros inéditos
(PANI NS e PANI NSAg), no entanto a desdopagem foi necessária, para posterior
utilização de filme em experimento de regeneração óssea. O processo de
desdopagem, em meio básico, garante a permanência de boa estabilidade térmica. A
inclusão de nanopartículas de prata (AgNPs) foi avaliada através da comparação entre
os quatro tipos de PANI sintetizados, com a inclusão da norbixina. As AgNPs
apresentam propriedades antimicrobianas, sendo confirmado neste trabalho, que sua
inclusão não demonstrou propriedades tóxicas, citotóxicas e genotóxicas. As
sementes (200g) de urucum (Bixa orellana L.) foram submetidas a dois processos de
refluxo, utilizando o sistema Soxhlet. O primeiro, produzindo uma fração oleosa e o
segundo, para a obtenção da bixina. A conversão da bixina em norbixina ocorreu com
a adição de ácido sulfúrico (P.A), até a obtenção de precipitado, com mudança de
coloração. A pesquisa visou obter um polímero que trouxesse boa condutividade
elétrica e térmica, assim como características antimicrobianas e antioxidantes. As
análises térmicas e espectrofotométricas dos compósitos do novo polímero, trouxeram
resultados semelhantes com os encontrados na literatura. As medidas térmicas das
novas PANI’s, mostraram ótima estabilidade, com o final da degradação ocorrendo
próximo de 700°C; confirmadas pela análise por Calorimetria Exploratória Diferencial
(DSC). Os novos polímeros, mostraram que os picos de absorbância e seus
comprimentos de onda, são semelhantes aos da PANI NS; na análise por
Espectroscopia na região do Ultravioleta Visível (UV-vis); evidenciando o uso deste
compósito em suas sínteses. As bandas encontradas na análise por Espectroscopia
no Infravermelho com Transformada de Fourier (FTIR) mostraram grupos

característicos dos compósitos da nova PANI, como C=C e C=O da norbixina, - NH-
ligado aos anéis benzênicos da polianilina, em aproximadamente, 1500 cm-1 para

anéis benzóides e 1416cm-1 para anéis quinóides, e - CON- (amida), para a ligação
entre a norbixina e a polianilina. A caracterização biológica envolveu os testes de
toxicidade, citotoxicidade e genotoxicidade; onde foram observados a ausência de
qualquer uma destas características mencionadas. Sendo a toxicidade avaliada pelo
método de Meyer com o uso de artêmias salinas e os demais avaliados por Allium
sepa L. No tratamento estatístico, utilizou-se os softwares, Origin 9.6 e BioEstat 5.3.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2157495 - ANDERSON NOGUEIRA MENDES
Presidente - 778.751.253-91 - FRANCISCO DAS CHAGAS ALVES LIMA - UESPI
Externo à Instituição - JEFFERSON ALMEIDA ROCHA - UFMA
Externo ao Programa - 1714193 - JOSE MILTON ELIAS DE MATOS
Externo à Instituição - VALDILEIA TEIXEIRA UCHOA - UESPI
Notícia cadastrada em: 03/08/2023 08:49
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 15/07/2024 02:23