• O sistema entrará em processo de atualização de funcionalidades às 13:45. Pedimos a todos que salvem seus trabalhos para que não haja transtornos.
    Agradecemos a compreensão, em 15 minutos o sistema estará de volta.
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANDRÉ LUIS FERNANDES LOPES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANDRÉ LUIS FERNANDES LOPES
DATA: 12/07/2021
HORA: 15:15
LOCAL: sistema remoto
TÍTULO: Efeito protetor do alfa-cetoglutarato, um metabólito do ciclo de Krebs, na lesão gástrica induzida por estresse em camundongos
PALAVRAS-CHAVES: lesão gástrica, estresse, alfa-cetoglutarato
PÁGINAS: 45
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

A úlcera gástrica apresenta diversas etiologias, dentre elas destaca-se o

estresse. Apesar de possuir uma fisiopatologia complexa, o eixo hipotálamo-
hipófise-adrenal é tido como principal mediador da resposta do hospedeiro ao

estresse que pode causar aumento na secreção gástrica, diminuição de muco
gástrico, além de geração de estresse oxidativo. O estresse está relacionado
com estilo de vida e também acomete grande parte de indivíduos internados
em unidade de terapia intensiva (UTI), estes, necessitam de uma terapia
profilática que geralmente causa efeitos colaterais e prolongam o período de
estadia nesse setor. Mediante a isso, a procura por novas terapias que possam

prevenir os efeitos do estresse tem tido importância considerável. O alfa-
cetoglutarato (ACG) é uma molécula que tem apresentado diversas atividades

benéficas e tem se mostrado promissor no combate ao estresse oxidativo,
inflamação e envelhecimento precoce. Ele é um metabólito obtido a partir do
ciclo do ácido tricarboxilico (Krebs) e é precursor de síntese proteica, é uma
molécula não tóxica de fácil solubilidade em água e em outros tipos de
soluções. Dessa forma, esse trabalho tem como objetivo avaliar o efeito
protetor do ACG no modelo de úlceras gástricas induzidas por estresse em
camundongos. Para esse estudo, foram usados camundongos Balb/c divididos
em grupos de 5 a 7 animais. Os grupos experimentais foram pré-tratados
durante 5 dias com ACG nas doses de 270, 540 e 1080 mg/kg para obtenção
do melhor efeito, os grupos Sham (controle negativo) e Estresse (controle
positivo) receberam apenas água destilada. Ao final do 5° dia, foram
submetidos ao estresse por restrição a água sob uma temperatura de 20°C
durante 6 horas. Após a eutanásia, o estômago foi retirado para análises
macroscópica e dosagem dos níveis de glutationa reduzida (GSH). O ACG na
dose de 1080 mg/kg reduziu (92,75%) de forma significativa (p<0,05) a área de
lesionada quando comparado com o grupo estresse, portanto essa dose foi
escolhida para a continuidade do ensaio. O ACG, reestabeleceu os níveis de
GSH para próximo dos níveis encontrados no grupo sem estresse, enquanto
isso, o grupo lesionado diminui drasticamente os níveis de GSH. Nossos
resultados apresentam indícios que o ACG consegue proteger a mucosa
gástrica exposta ao estresse, porém ainda serão realizados mais estudos como
dosagem de Superóxido dismutase (SOD), catalase (CAT) malondialdeído
(MDA) e mieoloperoxidase (MPO) para avaliação mais precisa do estresse
oxidativo, além disso pretende-se avaliar os níveis de muco gástrico, dosagem
de citocinas (IL-1, TNF-α) e análise histopatológica.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1680593 - JAND VENES ROLIM MEDEIROS
Interno - 2231318 - JOSE DELANO BARRETO MARINHO FILHO
Interno - 3161301 - LUCAS ANTONIO DUARTE NICOLAU
Notícia cadastrada em: 23/06/2021 16:57
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 17/07/2024 13:37