Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: GABRIELLE COSTA SOUSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GABRIELLE COSTA SOUSA
DATA: 04/08/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Sala da Pós-Graduação PPGBiotec_UFDPar
TÍTULO: SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DA GOMA DO CAJUEIRO TIOLADA: POTENCIAL USO NA DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁ
PALAVRAS-CHAVES: Anacardium occidentale; polímero; tiolação; esofagite
PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

A Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE) é uma condição prevalente, que acomete cerca de 20% da população ocidental e pode-se apresentar com erosões na mucosa, fenótipo conhecido como esofagite erosiva (EE). Alternativas terapêuticas devem ser consideradas uma vez que o tratamento considerado padrão ouro, falha em todos os fenótipos da doença, incluindo a EE. A goma do Cajueiro (GC) é um exsudato extraído da árvore Anacardium occidentale, e possui propriedades farmacológicas atrativas. Com relação a DRGE, estudos na literatura apresentam o efeito benéfico da GC em diferentes configurações experimentais, com mecanismos de ação associados à atividade anti-inflamatória e efeito tópico por adesividade à mucosa esofágica e laríngea. Contudo, ainda não se tem evidências da atividade desse biopolímero e de seus derivados modificados na EE. Portanto, objetivou-se avaliar o efeito da goma exsudada de Anacardium occidentale (goma do cajueiro (CG)), em ratos com esofagite erosiva, além de realizar sua modificação pelo processo de tiolação (goma do cajueiro tiolada; GCT) e posterior caracterização físico- química. Para indução da esofagite erosiva realizou-se uma laparotomia da linha média nos animais para expor o abdome superior e um fio de nylon 2–0 foi utilizado para ligar a junção entre o piloro e o duodeno, bem como o fundodo estômago. Os ratos foram divididos em três grupos: (1) ratos controlenormais (sham), (2) ratos esofagite erosiva (EE) e (3) ratos EE tratados com a GC 10% por via oral, de peso corporal. Os ratos nos grupos 2-3 foram tratados 30 min antes da cirurgia abdominal. Após 5h, coletou-se os esôfagos para análise macroscópica através da análise das fotografias dos esôfagos porplanimetria digital. Para análise do peso úmido como indicador de edema, o esôfago foi dissecado, lavado com soro fisiológico estéril, pesado e medido e em seguida, retirou-se Enviar para o e-mail ppgbiotec@ufpi.edu.br - Resumo amostras da região distal do esôfago para a avaliação da atividade de mieloperoxidase (MPO), um marcador secundário de neutrófilos no tecido inflamado. A GC foi modificada com tiol utilizando ácido tioglicólico e ácido clorídrico, posteriormente foram realizadas as caracterizações através do método de Ellman, espectroscopia de infravermelho(FTIR), análise elementar (AE) e potencial Zeta. Com relação ao estudo in vivo, os resultados demonstraram que o pré-tratamento com a GC leva a umaredução significativa (p<0,05) no índice de lesão em animais com EE, quando comparado com ratos com EE que não receberam o tratamento. Além disso, verificou-se que os animais com EE estabeleceram edema esofágico quando comparados com o grupo Sham, havendo redução do edema com a administração de GC e o prétratamento com a GC levou a diminuição significativa (p<0,05) dos níveis de MPO na mucosa esofágica quando comparado ao grupo esofagite erosiva. A modificação por tiolação foi confirmada através das técnicas de caracterização utilizadas. Além disso, a modificação química alterou a carga superficial (potencial Zeta) da GC, e a ligação do grupo –SH aos polímeros da GC foi confirmada por espectros de FTIR. A GC promoveu a diminuição da resposta inflamatória esofágica em animais com EE, melhorando marcadores inflamatórios, tais como edema e atividade da MPO, além de promover a diminuição dos danos causados na mucosa esofágica pelo refluxo gastroesofágico, conforme observado nas análises macroscópicas, sendo portanto um produto promissor no âmbito da DRGE. Em resumo, os resultados in vivo obtidos com a goma do cajueiro foram promissores, destacando seu potencial para o tratamento da esofagite erosiva em animais. Além disso, as propriedades atrativas já demonstradaspela goma podem ser aprimoradas com o produto tiolado. A modificação da goma do cajueiro com o tiolado pode resultar em um aumento significativo da propriedade de biomucoadesão da GC não modificada, sugerindo que esse avanço pode levar a resultados ainda melhores no tratamento dessa condição médica, oferecendo perspectivas animadoras para o desenvolvimento de terapias mais eficazes e específicas no campo da medicina gastroenterológica.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1718303 - DURCILENE ALVES DA SILVA
Interno - 1680593 - JAND VENES ROLIM MEDEIROS
Presidente - 3161301 - LUCAS ANTONIO DUARTE NICOLAU
Notícia cadastrada em: 25/07/2023 12:27
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 20/07/2024 01:19