Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JESSICA MARIA TELES SOUZA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JESSICA MARIA TELES SOUZA
DATA: 22/03/2024
HORA: 14:00
LOCAL: Híbrido: Auditório Oeste / Link da videochamada: https://meet.google.com/gkt-kfet-thj
TÍTULO: ANÁLISE COMPARATIVA DO PERFIL ANTIPROLIFERATIVO E MUTAGÊNICO DA CHALCONA-SULFONAMIDA 99: FORMA LIVRE E CONJUGADA A NANOPARTÍCULAS DE ÓXIDO DE ZINCO
PALAVRAS-CHAVES: Chalconas. Nanotecnologia. Citotoxicidade. Mutagenicidade. Antimutagenicidade. Drosophila melanogaster.
PÁGINAS: 98
GRANDE ÁREA: Outra(s)
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

O câncer corresponde a um conjunto de doenças multifatoriais caracterizadas pela proliferação desordenada das células. Atualmente, o câncer é a segunda maior causa de morte mundial, sendo considerado um grave problema de saúde pública. Os tratamentos disponíveis para o câncer incluem métodos com baixa seletividade e graves efeitos colaterais, o que gera impacto negativo na qualidade de vida dos pacientes. Assim, há um constante estímulo pela busca por novas alternativas de tratamento que possam superar estas dificuldades. Neste contexto, as chalconas-sulfonamidas têm sido amplamente estudadas na literatura e seu potencial citotóxico tem se mostrado bastante promissor. Entretanto, estas moléculas podem apresentar baixa seletividade, o que poderia acarretar consequências semelhantes às vistas para os fármacos já utilizados em clínica. Assim, a conjugação destas moléculas a nanoestruturas pode representar uma alternativa para potencializar seus efeitos e melhorar a sua seletividade. No presente trabalho, avaliou-se o potencial citotóxico do híbrido de chalcona-sulfonamida 99 (HCS99) livre e conjugado a nanopartículas de óxido de zinco (ZnONPs-HCS99) frente a linhagens celulares cancerosas e não cancerosas. Observou-se que a HCS99 livre apresentou potencial contra diversas linhagens testadas, com destaque para a linhagem de carcinoma colorretal humano HCT-116. Entretanto, sua citotoxicidade para linhagens não-cancerosas demonstrou que a molécula apresenta baixa seletividade. O conjugado ZnONPs-HCS99 demonstrou uma melhora nos efeitos da HCS99 livre, reduzindo os valores de CI50 para linhagens cancerosas sem alterar os efeitos para linhagens não-cancerosas. Os efeitos parecem ocorrer de forma tempo-dependente, uma vez que a atividade da amostra conjugada aumentou de acordo com o tempo de exposição. As alterações morfológicas demonstraram variações entre a molécula livre e conjugada, onde se observou um aumento do número de figuras mitóticas na amostra ZnONPs-HCS99 em comparação à HCS99 livre. Além disso, o teste de hemólise demonstrou que nenhuma das amostras testadas apresentou potencial hemolítico, indicando boa compatibilidade com eritrócitos humanos. Embora o teste SMART em Drosophila melanogaster tenha demonstrado que a HCS99 apresenta potencial mutagênico nas concentrações testadas, os efeitos causados foram consideravelmente inferiores aos observados para a doxorrubicina. Com isso, mais ensaios devem ser realizados para compreender os mecanismos associados aos efeitos da amostra ZnONPs-HCS99 e se a conjugação às nanopartículas interfere no perfil de toxicidade genética comparado à HCS99 livre.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2140923 - ANA JERSIA ARAUJO
Interno - 1718303 - DURCILENE ALVES DA SILVA
Interno - 2231318 - JOSE DELANO BARRETO MARINHO FILHO
Externo à Instituição - MARCILIA PINHEIRO DA COSTA - UFPI
Notícia cadastrada em: 04/03/2024 17:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 14/07/2024 23:24