Notícias

Banca de DEFESA: THAÍS RODRIGUES NOGUEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: THAÍS RODRIGUES NOGUEIRA
DATA: 11/05/2021
HORA: 15:00
LOCAL: Plataforma Google Meet
TÍTULO: Escore da Dieta Mediterrânea e sua Associação com Parâmetros de Selênio, Adiposidade e Integridade Celular em Pacientes com Câncer de Cólon/Reto
PALAVRAS-CHAVES: Neoplasia maligna; Cólon; Reto; Dieta Mediterrânea; Índice; Selênio; Composição corporal.
PÁGINAS: 83
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Nutrição
RESUMO:
Introdução: O Câncer Colorretal (CCR) é o segundo mais comum entre homens e
mulheres, com dados de prevalência e incidência expressivos. Dentre os fatores de risco
para o seu surgimento, o padrão alimentar é destacado como modulador da inflamação e
de eventos patofisiológicos característicos. A dieta mediterrânea, em particular, parece
reduzir a exposição e progressão de tumores malignos, possivelmente pela incorporação
de nutrientes antioxidantes, a exemplo do selênio, evidenciado pelo potencial
antiinflamatório e antitumoral. Literaturas mencionam ainda a influência da adiposidade
e do diagnóstico celular sobre a condição inflamatória e curso da doença. Objetivo:
Verificar a associação entre o Escore da Dieta Mediterrânea (EDM), marcadores de
selênio, adiposidade e integridade celular no câncer de cólon/reto. Métodos: Trata-se de
estudo transversal, que avaliou 55 pacientes de ambos os sexos, distribuídos em grupo
com câncer colorretal (n=29), e grupo com câncer de cólon (n=26). Foram determinados
os parâmetros antropométricos, e estimado o consumo alimentar e de selênio na dieta. A
composição corporal e o Ângulo de Fase (AF°) foram obtidos por avaliação de
Bioimpedância Elétrica. A ingestão de selênio foi investigada por Recordatório de 24
horas, e calculada utilizando o programa Nutwin versão 1.5. A determinação do EDM
baseou-se na metodologia de Trichopoulou et al. (1995), adaptada. As concentrações de
selênio sérico e no sangue total foram determinadas pelo Método de Espectrometria de
Emissão Óptica com Plasma Acoplado Indutivamente, e os níveis de Proteína C-Reativa
(PCR), pelo Método de Aglutinação de Partículas de Látex. Os dados foram analisados
no SPSS for Windows®, versão 22.0. A pesquisa recebeu aprovação ética (nº 3.773.783).
Resultados: As concentrações de selênio no sangue total estiveram compatíveis com os
valores de referência em ambos os grupos. Os valores de selênio sérico apresentaram-se
dentro do intervalo considerado ideal no grupo com câncer colorretal, e deficientes no
grupo com câncer de cólon, sendo estatisticamente superior no primeiro (p=0.007). A
ingestão dietética de selênio revelou-se abaixo do recomendado pela Estimated Average
Requeriment (EAR) em ambos os grupos, sem diferença estatística (p>0.05). O consumo
dietético de lipídeos e gorduras monoinsaturadas foi estatisticamente superior nos homens
com câncer de cólon (p<0.05), e o de carboidratos significativamente maior nas mulheres
do mesmo grupo (p=0.027). A Massa Gordurosa (MG), o Percentual de Gordura Corporal
(PGC) e o Índice de Massa Corporal (IMC) foram associados a melhor integridade celular
na amostra total (p<0.05). Nesta ainda, predominou a alta adesão à dieta mediterrânea,
sem associação entre EDM, selênio, adiposidade e integridade celular (p>0.05).
Constatou-se correlação positiva entre selênio sérico, MG, PGC (p<0.05), e negativa com
PCR (p=0.006). O selênio no sangue total também foi negativamente correlacionado com
esta variável (p=0.027). Apenas nos pacientes com câncer de cólon, o selênio sérico foi
correlacionado com PGC, AF° e PCR (p<0.05). Conclusão: Com base nos resultados
obtidos, concluiu-se que os pacientes avaliados apresentaram valores de ângulo de fase
limítrofes, e alta adesão à dieta mediterranea, o que pode ter contribuido para a
preservação da integridade e/ou fisiologia celular em condições de estresse e meta
inflamação. Apesar disso, o estado nutricional relativo ao selênio mostrou-se
comprometido, possivelmente em virtude dos valores insuficientes de selênio dietético e
limítrofes de selênio sérico, o qual pode justificar o grau de adiposidade e os valores de
PCR elevados.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423582 - BETANIA DE JESUS E SILVA DE ALMENDRA FREITAS
Interno - 1794569 - ADRIANA DE AZEVEDO PAIVA
Externo ao Programa - 1952348 - GILMARA PÉRES RODRIGUES
Externo ao Programa - 041.631.633-60 - ANA RAQUEL SOARES DE OLIVEIRA - UFPI
Notícia cadastrada em: 07/05/2021 13:13
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 04/12/2022 02:54